Mato Grosso conta com um dos eletrorresistivímetros mais moderno do mundo. O equipamento de geofísica, utilizado em sondagens de solo e importado da França, foi adquirido com recursos próprios pela Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat), pelo valor de R$ 2 milhões. O objetivo é utilizá-lo para acelerar os trabalhos de perfuração de poços artesianos e de mineração no Estado.

O aparelho tem capacidade para identificar tipos de solo, de rochas e de outros minerais em até 500 metros de profundidade, permitindo uma localização mais precisa de água subterrânea, ouro, zinco e cobre, entre outros minérios.

Segundo o presidente da Metamat, Juliano Jorge Boraczynski, uma das maiores vantagens do novo equipamento é a celeridade com que as atividades serão executadas.

“Ele permite aferir grandes distâncias em curto período de tempo. Enquanto um equipamento comum precisa de um dia para levantar uma área, o eletrorresistivímetro mapeia 1,2 km de extensão em apenas duas horas, agilizando consideravelmente nosso trabalho. Mato Grosso também passa a ser o único estado brasileiro a contar com um equipamento de geofísica de alta performance”, destaca Juliano Jorge.

O geólogo e professor da UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso), Sérgio Júnior Fachin, que será um de seus operadores, explica o seu funcionamento.

“O equipamento faz um ensaio, ainda na superfície, com injeção de corrente elétrica e medida de diferencial, em dois pares de eletrodos diferentes afixados no solo. Com isso, permite, na tela do computador, calcular a resistividade (resistência elétrica) e visualizar tanto o solo quanto a profundidade de cada mineral. É uma ferramenta de última geração, que garantirá mais produtividade e maior precisão, por exemplo, na escolha do local tanto para escavação de poços quanto para a realização de outros serviços geológicos”, explica.

Para o CEO da empresa Hasageo, representante da Iris Instruments no Brasil, Hamilton Sartori, o novo equipamento tem capacidade até para localizar, com grande precisão, minerais em áreas subaquáticas.

“É um equipamento coringa. Com a ajuda de um acessório acoplado a um barco, consegue-se visualizar o mineral em um rio, porque o eletrodo flutua na água. A gama de ações possíveis por ele desenvolvidas é enorme no subterrâneo e na mineração. Pode ser usado até na área ambiental, como, por exemplo, descobrir poluentes no solo”, esclarece.

O primeiro local a ser mapeado com o novo equipamento será o espaço multieventos Parque Novo Mato Grosso, um dos maiores da América Latina, localizado na MT-251 (Rodovia Emanuel Pinheiro – Estrada de Chapada), onde a Metamat deverá perfurar seis poços artesianos..