A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Tapurah (433 km a médio-norte de Cuiabá), deflagrou, na manhã desta sexta-feira (08.04), a Operação Discipulus, para cumprimento de dez mandados judiciais de busca e apreensão domiciliar e prisão temporária, dentro de investigações do comércio de drogas e homicídio de duas pessoas no município.  

A operação ainda está em andamento e, até o momento, cinco pessoas já foram conduzidas para a delegacia, sendo cumpridos três mandados de prisão e cinco de busca e apreensão domiciliar.

Em uma das residências objeto dos mandados, foram localizadas drogas, farta quantidade de dinheiro, e anotação com contabilidade da venda de droga. Os valores e anotações estavam separados em envelopes intitulados “gorda”, “feijão”, “lança” e “lucro GRT”, que entre os criminosos significam pasta base de cocaína, maconha, lança-perfume (dois frascos foram apreendidos) e lucro do gerente, respectivamente.

Segundo os delegados Eugenio Rudy Junior e Marcello Maidame, que coordenam a Operação, a Polícia Civil representou pelas prisões e buscas e apreensões no bojo da investigação que apura a morte de duas pessoas, as quais tiveram as cabeças decapitadas e foram localizadas em uma cova rasa no município de Tapurah.

As investigações da Polícia Civil apontaram que os investigados têm envolvimento com uma facção criminosa atuante na região.

Participaram da operação 16 policiais civis, entre investigadores, escrivães e delegados de polícia. A operação ainda contou com apoio da delegacia Regional de Nova Mutum, por meio das delegacias de delegacia de Lucas do Rio Verde, Nova Mutum e Arenápolis

Nome da Operação

Palavra originada do Latim, Discipulus significa disciplina, que, por sua vez, é o nome dado a função exercida por membros da facção responsáveis por matar, torturar e agredir quem não cumpre as ordens do grupo.

Relembre o caso

No dia 15 de março de 2022, dois corpos foram localizados com as cabeças decapitadas. As vítimas foram identificadas como Antônio Gabriel Leite dos Santos, de 19 anos, e o tatuador Rodrigo Martins de Souza, de 39. Os corpos estavam enterrados na zona rural de Tapurah, com mãos e pés amarrados. As vítimas foram dadas como desaparecidas no dia 12 de março.

Os corpos foram encontrados por investigadores da Polícia Civil, após denúncias anônimas sobre onde, possivelmente,  foram enterrados. As equipes saíram em buscas e, de fato, localizaram duas covas com os vestígios dos cadáveres.

Na ocasião, o local foi isolado e a Perícia Oficial da cidade de Sorriso acionada para o caso. Foi constatado que as vítimas estavam com as mãos amarradas para trás. As pernas também foram amarradas, indicando que foram torturadas antes de serem mortas.