Uma nova tendência das redes sociais tem tirado o sono de pais de alunos de escolas de vários estados brasileiros. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram os estudantes raspando corretor líquido, o chamado branquinho, depois de seco, e cheirando o pó resultante. A prática ocorre até mesmo dentro das salas de aula.

Nos vídeos, os estudantes aplicam o corretor na carteira da escola e depois o raspam, entregando o conteúdo aos colegas com um tubo de caneta. Segundo médicos, a inalação do produto pode causar danos às mucosas do nariz e agravar quadros de rinite ou sinusite, além de haver risco de intoxicação.

Em redes sociais como Twitter, Tik Tok e Facebook, o g1 encontrou diversos relatos de estudantes menores de idades narrando problemas nas escolas por causa do ato. Os posts citam expulsões, processos e até a presença de policiais em colégios de estados como São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

“Fizeram a trend do corretivo e agora deu polícia na escola”, disse um adolescente. “Tony foi suspenso porque gravou um TiktTok cheirando branquinho”, disse outro estudante.