O Programa Universidade para Todos (Prouni) libera nesta quarta-feira, 2, a lista com os estudantes pré-selecionados em cursos de graduação ofertados por faculdades particulares por meio do programa. A partir da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Prouni oferece bolsas de estudo integrais ou parciais (50%). Quem estiver com o nome na lista de selecionados precisará comprovar as informações até o dia 14 para garantir a bolsa.

Interessada em uma bolsa de estudo integral no curso de Fisioterapia, a estudante Vanessa Lima, 25, espera ansiosa a divulgação do resultado. “Eu me preparei muito para o Enem pois eu sabia da chance de conseguir uma bolsa por algum programa de governo. Com as minhas notas, acredito que eu consiga alcançar o meu objetivo que é me formar na graduação dos meus sonhos com o benefício do programa”, diz. Para o estudante, que é e de baixa renda e não tem condições de pagar por um curso bom em uma universidade boa, o auxílio do Prouni, do Fies ou do Sisu é fundamental para isso, pois possibilita a esses estudantes uma perspectiva de futuro. 

Para concorrer a uma bolsa integral pelo Prouni, o participante deve comprovar renda familiar bruta de até 1,5 salário mínimo por pessoa. Para a bolsa parcial, a renda familiar bruta mensal deve ser até três salários mínimos por pessoa. É necessário também que o interessado tenha cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou da rede privada com bolsa integral ou parcial. 

Mudanças no programa

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que estabelece a pré-seleção dos estudantes inscritos no Prouni que considere as duas últimas edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para ingresso em cursos de graduação ou sequencial de formação específica. Antes, somente a nota mais recente do Enem era aceita.

No Enem, o candidato deve ter alcançado, no mínimo, 450 pontos de média das notas e não pode ter tirado 0 na redação. Já para a edição do segundo semestre do programa, está tramitando na Câmara a ampliação do acesso de o acesso de estudantes de escolas privadas não bolsistas ao programa.

A possibilidade está prevista na Medida Provisória (MP) 1.075/2021, editada pelo presidente Jair Bolsonaro em dezembro. Para sair do papel, no entanto, a regra precisa ser convertida em lei pelo Congresso até o dia 17 de março, quando perderá o efeito. O texto tramita na Câmara em regime de urgência e, se aprovado, segue para o Senado.

Cronograma

Comprovação de informações: 3 a 14 de março

Segunda chamada: 21 de março

Comprovação de informações: 21 a 29 de março

Lista de espera: 4 e 5 de abril

Resultado: 7 de abril

Comprovação de informações: 8 a 13 de abril