Mais de 170 quilos de cocaína, avaliados em aproximadamente R$ 5 milhões, foram apreendidos pela Polícia Civil na noite de domingo (20.03), em uma ação conjunta das Delegacias de Campos de Júlio e Comodoro.

A droga, dividida em 152 tabletes, foi localizada em um compartimento secreto, no assoalho de um caminhão  abordado pelos policiais civis em um posto de combustível na cidade de Campos de Júlio. O motorista do caminhão, de 49 anos, foi autuado em flagrante por tráfico de drogas.

Devido às inúmeras apreensões de drogas na região, as equipes das Delegacias de Campos de Júlio e Comodoro iniciaram investigações específicas de combate ao tráfico. No domingo, por volta das 16 horas, os policiais fizeram o monitoramento do caminhão Volvo, que estava estacionado  em um posto desde sábado (19).

Por volta das 19h30, os policiais realizaram a abordagem ao proprietário do veículo que, inicialmente, alegou que estava estacionado no posto aguardando frete. Durante buscas no caminhão foram encontrados na cabine do caminhão aproximadamente 48 tabletes de substância análoga à cocaína.

O caminhão foi apreendido e o suspeito foi conduzido à Delegacia de Campos de Júlio onde, com iluminação e ferramentas adequadas, foi iniciada uma busca mais minuciosa e encontrado um compartimento secreto, no assoalho do veículo.

No local, foram localizados mais 104 tabletes de substância análoga à cocaína, totalizando 152 tabletes apreendidos. Questionado, o motorista disse que apenas carregou a droga em Vilhena (RO), em seguida carregaria o caminhão com algodão em Sapezal e depois levaria até o estado de São Paulo.

Diante dos fatos, após ser interrogado pelo delegado Ricardo Marques Sarto, o motorista foi autuado em flagrante por tráfico de drogas. Segundo o delegado, esta é a maior apreensão de drogas realizada pela delegacia desde a sua crianção. 

“Em fevereiro foram apreendidos 50 quilos de entorpecentes e agora realizamos essa apreensão de 170 quilos, que representa um prejuízo estimado em mais de R$ 5 milhões contra o tráfico de drogas. As investigações continuam para identificar outros envolvidos no crime”, disse o delegado.