Os assessores da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que vão auxiliar as Diretorias Regionais de Educação (DREs) na supervisão do Sistema Estruturado de Ensino nas escolas estaduais de Mato Grosso, estão participando da segunda etapa da formação realizada pela empresa. O grupo é formado por 15 assessores contratados pela FGV e que devem atuar sob a coordenadoria da gestão pedagógica da Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

Eles vão trabalhar questões estatísticas, indicadores, avaliação, intervenção pedagógica e resultados relacionados à gestão da aprendizagem dos estudantes do ensino fundamental e médio. A formação foi iniciada nesta quarta-feira (16.03) e segue até esta sexta-feira (18.03), em Cuiabá.

O sistema estruturado inclui material didático, plataforma digital, banco de perguntas, aplicativo, avaliações, exercícios complementares, e formação continuada dos professores, com duração de 120 horas por ano. O conteúdo programático é regionalizado, seguindo os padrões da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o Documento de Referência Curricular de Mato Grosso (DRC-MT).

Os programas contemplam as mais diversas áreas do conhecimento e estão organizados de acordo com as necessidades de cada ano, considerando a progressão da aprendizagem. Os investimentos são de R$ 549 milhões com recursos do Governo de Mato Grosso, por meio do Programa Mais MT.

“Este método de ensino possui vários pontos a serem trabalhados e envolve todo um processo de preparação das equipes para que os alunos e professores consigam obter bons resultados com a utilização do novo material. Além de aprender a analisar os índices, esses assessores vão auxiliar a compreender as dificuldades de aprendizagem dos nossos alunos e ajudar as escolas a propor estratégias de solução”, explicou a técnica responsável pela Frente de Planejamento e Gestão do Sistema Estruturado, Ana Paula Moreira.

O material didático desenvolvido pela FGV possui a metodologia já aplicada na rede particular e visa auxiliar professores e estudantes no processo de recomposição da aprendizagem, sendo considerado um dos melhores métodos de ensino do Brasil. O material apresenta 13 componentes curriculares e também atende demandas da Educação de Jovens e Adultos (EJA), escolas Quilombolas, Indígenas e do Campo.

“Esta segunda etapa é presencial e traz oficinas de operacionalização do circuito de gestão – metodologia para que a gestão dos três níveis (escolar, regional e central), possam de fato desenvolver um processo de melhoria contínua da aprendizagem, potencializando os projetos, a política educacional e todas as ações com foco na melhoria dos resultados”, destacou Inacélia Calixto, consultora Sênior da FGV no eixo Gestão da Aprendizagem.