Mulheres que passaram por situações de violência doméstica e vivem em vulnerabilidade social estão recebendo uma nova chance de reconstruírem suas vidas. Por meio do projeto Vida Melhor, promovido pelo 9º Batalhão da Polícia Militar, essas mulheres, que um dia foram vítimas, estão passando por um processo de qualificação profissional e em busca de independência financeira.

A iniciativa faz parte do Programa Corrente do Bem, já existente no Batalhão e que visa retirar pessoas da zona de vulnerabilidade por meio de assistências e qualificações. No projeto Vida Melhor, 36 mulheres foram selecionadas pela equipe do 9º BPM para fazerem parte de um curso de qualificação com duração de 24 horas-aulas, distribuídas em três semanas, sendo a última aula neste sábado (26.02). As aulas estão sendo realizadas na sede da 2º Cia da PM, no bairro Parque Cuiabá.

Contando com o apoio do Serviço Social de Transporte (Sest), Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat) e do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de Mato Grosso (Sindmat), a equipe do 9º BPM fez buscas por empresas, indústrias, comércios ou similares, da Capital, que estavam com vagas de emprego em aberto, e que necessitam de pessoas qualificadas nas funções.

Em seguida, foi montado um cronograma de qualificação voltado para a área demandada de acordo com as necessidades empregatícias. Com apoio das empresas parceiras, as mulheres estão passando por qualificação para se tornarem profissionais no cargo de conferente de carga, onde elas irão fiscalizar os produtos da empresa antes do transporte. 

Uma das alunas, que não será identificada, está aproveitando a oportunidade para buscar retorno ao mercado de trabalho. “Vi nesse curso a oportunidade de me engajar novamente no mercado. Está sendo muito acolhedor e estou tirando proveito dos ensinamentos. Eu tenho certeza que com a qualificação eu conseguirei um emprego”, afirmou a aluna, que disse estar se sentindo realizada por fazer parte da primeira turma do projeto.

Para um dos professores responsáveis pela qualificação, Claudinei Ferreira, a iniciativa pensada pela Polícia Militar é fundamental para a inserção do público feminino no mercado de trabalho já com uma qualificação competente. “Muitas vezes a oportunidade de emprego não existe ou não chega, por conta da falta de qualificação na área”, destaca o professor.

Por fim, o tenente-coronel Silva Sá, explica que o projeto é muito mais do que uma assistência. “O projeto Vida Melhor está muito além do assistencialismo, é na verdade uma opção clara e acessível de ser e se sentir digno, útil e independente”, explica o comandante, que convida empresas e indústrias que possuam vagas de emprego, para participarem dos próximos ciclos de qualificações. 

Após o fim da qualificação, as empresas parceiras, que ofertaram vagas, farão a distribuição das vagas com todas as mulheres que concluírem o curso. Uma chance para que essas mulheres possam conquistar, de fato, uma vida melhor.