Um menino de 8 anos morreu ao cair da estrutura de uma toboágua no parque aquático diRoma Acqua Park, em Caldas Novas, no sul de Goiás, na tarde deste domingo (13).  O grupo diRoma divulgou nas redes sociais que o brinquedo, chamado de Vulcão, estava desativado por conta das obras. A criança conseguiu acessar a área e sofreu uma queda de 15 metros de altura, segundo o Corpo de Bombeiros.

Há seis dias, uma postagem nas redes sociais do diRoma Acqua Park informou que o brinquedo estava em obras, com previsão de finalização para 30 de junho. 

R7 conversou com duas visitantes que estiveram no parque aquático no último fim de semana. Elas disseram que o “Vulcão” estava interditado com tapumes e sinalização, mas não havia nenhum segurança na entrada do brinquedo que estava em obras.

O Corpo de Bombeiros informou que a criança foi atendida pelos guarda-vidas do parque aquático até a chegada do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e do 9º Batalhão Bombeiro Militar, por volta das 15h45.

Uma equipe aérea dos bombeiros chegou a ser acionada para transferir a vítima de helicóptero até o Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira, em Goiânia, mas o menino sofreu uma parada cardíaca e a equipe teve de retornar.

A criança foi encaminhada ao Hospital Municipal de Caldas Novas e chegou a ser intubada em estado grave, porém não resistiu aos ferimentos e ao traumatismo craniano seguido de afogamento. A morte foi confirmada pela equipe médica do Hospital Municipal, às 19h. A Polícia Civil de Goiás investiga o caso. 

De acordo com a Prefeitura Municipal de Caldas Novas, a criança é natural do município de Conselheiro Lafaiete, em Minas Gerais. A família estava em Goiás em uma viagem de férias.

Em nota enviada ao R7, o grupo diRoma lamentou e diz “prestar profunda solidariedade à família da criança que tragicamente se acidentou.”

O grupo informou que a área na qual ocorreu o acidente estava completamente fechada com tapume e devidamente sinalizada para reforma e melhorias. Ainda de acordo com a nota, o complexo é vistoriado com rigor pelo Corpo de Bombeiros e possui todos os alvarás e as licenças emitidos pelas autoridades competentes. 

“Estamos consternados, colaborando com as autoridades e oferecendo todo suporte à família nesse momento de luto”, diz trecho do comunicado.