O período de matrícula dos estudantes aprovados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2022.1 foi alterado pelo Ministério da Educação. Antes previsto para terminar em 28 de fevereiro, o prazo foi prorrogado para até 8 de março. Já o período de inscrição para o Sisu não foi alterado. A medida foi publicada na última sexta-feira (28), no Diário Oficial da União (DOU). 

As inscrições serão abertas no dia 15 de fevereiro e terminarão às 23h59 do dia 18 de fevereiro. Os estudantes podem se inscrever para o Sisu gratuitamente pela internet. O resultado sairá no dia 22 de fevereiro. 

A mudança da data também alterou os prazos para manifestar interesse em participar da lista de espera do Sisu, que passa a ser de 22 de fevereiro a 8 de março, e para a convocação por meio da lista de espera, que ocorrerá a partir do dia 10 de março. 

O estudante Arthur Moura, de 18 anos, fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pela terceira vez – as outras foram como “treineiro”. Agora, o jovem quer usar a nota do exame para tentar uma vaga no curso de Medicina pelo Sisu. “Minha expectativa está a todo vapor. Estou muito nervoso pelo resultado”, diz.

O Sisu é o processo seletivo que possibilita que estudantes ingressem em universidade pública com base na nota do Enem. Nessa seletiva, os candidatos são contemplados em ordem classificatória de acordo com a nota no exame.

Novo Cronograma do Sisu 

Inscrições: 15 a 18 de fevereiro;

Resultado: 22 de fevereiro;

Matrícula: 23 de fevereiro a 8 de março.  

Bolsas de estudo para faculdade

Quem não conseguir ser contemplado no Sisu pode continuar com o sonho de estudar, através de bolsas de estudo disponibilizadas por programas de inclusão educacional de iniciativas privadas, como o Educa Mais Brasil. O programa oferece bolsas para todas as modalidades de ensino, incluindo graduação, com até 70% de desconto para cursos presenciais e a distância, em parceria com milhares de instituições de ensino de todo o país. As inscrições podem ser feitas ao longo de todo o ano e não precisa de nota do Enem ou comprovante de renda. Por não se tratar de financiamento e, sim, de bolsa de estudo, após o término do curso não é preciso pagar nada.