Chapada dos Guimarães, a 65 km de Cuiabá, registrou um aumento de 340% no número de casos de Covid-19, após o período das festas de Réveillon na cidade. Na semana que antecedeu o Ano Novo, o município registrava uma média de cinco casos da doença, segundo a prefeitura. Já nesta semana esse número subiu para 22.

A festa de Réveillon popular foi organizada pela prefeitura por meio da Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Meio Ambiente. Foram dois dias de evento no Centro Cultural, local conhecido como Praça do Festival. Na programação, houve queima de fogos de artifício e shows regionais e nacional. A programação reuniu milhares de pessoas, no entanto, o número exato de participantes não foi divulgado.

O prefeito Osmar Froner (MDB) explicou que a festa foi organizada antes mesmo do Natal, pois os indicadores eram seguros. À época, segundo Osmar, a vacinação com a primeira dose era de 100% e segunda dose 97%.

“Notamos que foi tranquila a participação das pessoas, tinham muitas famílias e pessoas que têm casas de veraneio na cidade. Foi um público diferenciado do que costumava visitar a cidade. Mas, passado isso, observou-se que os índices tiveram um aumento no estado, assim como em Chapada”, disse.

De acordo com o prefeito, os casos identificados são em pessoas que já tomaram as duas doses da vacina. Além disso, o prefeito afirmou que a contaminação tem ocorrido entre familiares, alguns que participaram da festa popular do município e outras que se reuniram em outros locais.

Apesar do aumento expressivo, o prefeito disse que a situação da Covid no município é segura e que a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) já foi estruturada para atender esses casos.

A prefeitura informou que a UPA tem atendido de 180 a 200 casos por dia, sendo que cerca de 70% é de gripe.

A festa organizada no município custou cerca de R$ 500 mil, segundo Osmar. O valor incluiu também reforço de materiais para atendimento na UPA.

O município informou que os eventos movimentaram mais de R$ 12 milhões no turismo.

Casos de gripe

Segundo a prefeitura, a maioria dos casos atendidos na UPA são de gripe. Entre os dias 30 de dezembro e 3 de janeiro, foram realizadas 857 consultas médicas.

Dentre os atendimentos, 42,56% foram em decorrência de síndromes gripais leves.

Para tentar evitar a proliferação da Covid e da gripe, a prefeitura orientou que as pessoas continuem tomando as vacinas e mantenham as regras de biossegurança, como o uso de máscara, álcool em gel e distanciamento social.