Um pastor da Igreja Batista Nacional, de 44 anos, no Bairro Tijucal, em Cuiabá, está sendo investigado por suspeita de importunação sexual contra duas fieis, uma adolescente, de 17 anos, e uma mulher, de 43 anos.

Segundo a Polícia Civil, foi instaurado um procedimento para apurar o caso da menor de idade na Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica).

Ela será ouvida pela polícia. Além disso, serão feitas outras diligências em busca de esclarecer o caso.

Segundo o boletim de ocorrência, a adolescente foi abordada pelo pastor durante um percurso de bicicleta quando os dois ficaram sozinhos. Ela teria dito que estava cansada e, então ele disse, conforme consta no boletim, para ela “fechar os olhos, abrir a boca e virar para ele, que iria assoprar na sua boca” para que ela voltasse a ter fôlego. A garota disse que não havia necessidade.

Os pais da adolescente foram comunicados sobre o que aconteceu e, segundo o registro, preferiram levar a questão ao presidente da Igreja Batista Nacional do Tijucal (IBN), o pastor Dezenildo Paes.

No início deste ano, outra fiel, de 43 anos, conta que recebeu mensagens do mesmo pastor pelo WhastApp, com conotações sexuais. Ela relata no boletim que não é a única vítima e que comunicou o presidente pastor Dezenildo Paes, mas ele não fez nada, segundo o registro de ocorrência. A Delegacia da Mulher investiga o caso.

Outro lado

Procurada a Igreja Batista Nacional do Tijucal disse, em nota, que, no final de setembro deste ano, o presidente pastor Dezenildo “afastou o pastor auxiliar envolvido de todas as atividades da igreja, principalmente as eclesiásticas, ato este, de conhecimento de todos os membros da igreja”.

A IBN Tijucal ainda afirma que a suposta omissão do presidente da igreja será investigada para restabelecer a verdade.

“A IBN Tijucal não compactua com qualquer ato ilícito que chegue ao conhecimento da diretoria através do seu pastor presidente. Assim, serão tomadas todas as medidas legais e cabíveis capazes de restabelecer a verdade do suposto ato de omissão imputado ao pastor presidente da IBNT”, diz a nota.