A suspensão da produção de carne bovina para a China pode diminuir o preço para consumidores em todo o país. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) determinou a suspensão após o registro de dois casos atípicos de encefalopatia espongiforme bovina (EEB), popularmente conhecida como ‘vaca louca’, em Mato Grosso e em Minas Gerais.

De acordo com o diretor Operações do Instituto Mato Grosso da Carne, Bruno Andrade, caso a China não retome a compra, o preço do mercado doméstico pode cair.

“A gente tem que considerar também que o varejo pode estar trabalhando com algum estoque de carne e até que esse estoque seja reduzido o preço pode se manter nesse nível que se encontra hoje, mas a expectativa, caso a China não retorne às compras, é que o preço do mercado doméstico venha a cair sim”, afirmou.

O país parou de vender carne bovina para os chineses no dia 4 de setembro.

Como as autoridades da China ainda não autorizaram a retomada das compras, o Ministério da Agricultura determinou a suspensão da produção e autorizou os frigoríficos habilitados a exportarem ao país asiático a refrigerarem a carne já produzida até agora.

Essa medida é válida por 60 dias e pode causar prejuízo para a indústria e pecuaristas, já que mais de 50% das exportações brasileiras de carne vão para a China.

CASOS DE VACA LOUCA

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou em setembro a suspeita de casos da ‘vaca louca’ em frigoríficos de Belo Horizonte (MG) e de Nova Canaã do Norte.

Os dois casos confirmados foram detectados em vacas de descarte que apresentavam idade avançada. A instituição afirmou que os casos não representam risco para a cadeia de produção bovina do país.

De acordo com o Sindicato das Indústrias de Frigoríficos de Mato Grosso (Sindifrigo), com a conclusão dos casos como ‘atípicos’, o Brasil está apto para exportar. No entanto, a decisão de retomada é da China.

Após a confirmação da Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) de dois casos da vaca louca, o mercado das exportações de carne bovina têm registrado queda na cotação do boi gordo.

Em setembro, a arroba do boi registrou queda de 4,57% em Mato Grosso, de acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

No município de Sorriso, o produto era cotado acima de R$ 300, e após a confirmação dos casos, passou para R$ 276,81, representando uma queda de 8%.