Anúncios

, no Vale do Xingu, 10.329 habitantes em uma área de 11,3 mil km2, distante 774 quilômetros de , comemora 33 anos de emancipação administrativa nesta segunda-feira (03.05), com ações do Governo do Estado em logística, meio ambiente e agricultura familiar.

No início de março, o Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra/MT), convocou uma nova empresa de transporte coletivo intermunicipal de passageiros, categoria diferenciada, para atender ao município.

Com prazo de concessão de 20 anos, nova empresa substitui a anterior, que opera em caráter emergencial.

Está em construção o prédio para abrigar a sede da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. A obra, sob a responsabilidade da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), é parte do projeto de estruturação e fortalecimento das prefeituras da gestão ambiental.

Os recursos são do Projeto MT Sustentável, do Fundo /BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), com previsão de entrega de 17 novas sedes e quatro diretorias de unidades descentralizadas da Sema/MT.

Na atual gestão, entidades e associações ligadas à agricultura familiar ribeirense foram beneficiadas com a entrega, pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SEAF), de uma picape e de uma patrulha mecanizada composta por um trator agrícola 4×4 com potência de 110 CV, uma carreta basculante com capacidade para seis toneladas e uma grade aradora com 18 discos de 28 polegadas.

e repasses

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) repassou ao município 875 testes rápidos para detecção do e medicamentos para combatê-lo, num total de 37.354 comprimidos, entre azitromicina (4.593), ivermectina (3.674) e dipirona (29.087), também distribuído em gotas, com 714 frascos.              

Entre 2020 e 2021, o Governo do Estado repassou R$ 17,59 milhões aos cofres municipais em ICMS, IPVA e Fethab; R$ 1,595 milhão em assistência social, transporte escolar e emendas parlamentares entre 2019 e 2020; e R$ 779,97 mil em fundos de saúde entre 2019, 2020 e 2021. 

Economia

Segundo o IBGE, dois setores – agropecuária (R$ 148,08 milhões) e serviços (R$ 97,9 milhões) – responderam por 69,5% do Produto Interno Bruto (PIB) municipal, de R$ 353,5 milhões. Administração pública (R$ 59,5 milhões), impostos (R$ 31,9 milhões) e indústria (R$ 16,6 milhões) fecham a soma.  O PIB per capita é de R$ 35.068,07.     

Pelos dados de 2018, do IBGE, a agropecuária tem como carros-chefes a produção de soja, com 297 mil toneladas, milho (60 mil toneladas) e algodão (12,49 mil toneladas) e um rebanho bovino com 280 mil cabeças, das quais 2,69 mil vacas ordenhadas com uma produção de 2,45 milhões de litros de leite.

A pecuária cascalheirense responde ainda por um rebanho galináceo com 37,4 mil cabeças, das quais 9,7 mil galinhas, com 74 mil dúzias de ovos; 7 mil suínos, com 1,3 mil  matrizes); 3.921 equinos; e 2.197 ovinos; além de 33 toneladas de peixes em cativeiro e 1,3 mil tonelada de mel de abelha.

A produção agrícola abrange ainda banana, coco-da-baía, , cana-de-açúcar, feijão e mandioca. É também o maior extrator estadual (oitavo no ranking nacional) de pequi, com 570 toneladas. 

História

O primeiro nome foi Ribeirão Bonito, dado por volta de 1968, quando os pioneiros se instalaram às margens do Córrego Suiazinho, abrindo o primeiro comércio e a pensão. Chegou a ser chamado também de Alta Cascalheira, Guedolândia e Divineia. O nome atual é resultado da justaposição dos nomes Ribeirão e Cascalheira.

Como distrito, criado em 1984, ainda como nome de Ribeirão Bonito, foi subordinado à Canarana. Foi elevado a município em 03 de maio de 1988, desmembrado de Canarana e São Félix do Araguaia. 

A região foi palco de vários conflitos agrários, culminando com o assassinato do padre João Bosco Penido Burnier, missionário entre os índios Bakairi, 1976, ainda no período ditatorial.   

O Saiba Tudo Mato Grosso (MT) é um site sem vínculos partidários, sem preconceitos ideológicos e não está a serviço de grupos econômicos. O nosso valor é a qualidade da informação.