Anúncios

Uma professora de 27 anos deu entrada em um hospital com sinais de tuberculose na . O caso, porém, sofreu uma reviravolta curiosa: na verdade, a mulher havia inalado, acidentalmente, um preservativo durante relação sexual com o marido. Os especialistas descreveram o incidente em um estudo publicado no jornal científico da National Library of Medicine.

De acordo com a , na primeira consulta, a mulher se queixava de tosse, febre e acúmulo de muco, que persistiam por dois meses.

Ela, que recebeu prescrição de antibióticos e tratamento antituberculose, resolveu voltar ao hospital após quatro meses, já que os sintomas não passavam.

A professora foi avaliada novamente para confirmar se tinha tuberculose. O teste, porém, deu negativo para a doença: havia, na verdade, uma lesão em um lobo pulmonar superior da paciente, resultado da inalação do preservativo.

Os profissionais de saúde só perceberam isso ao examinarem o tórax dela e notarem uma “estrutura semelhante a uma invertida ‘parada’ no brônquio”. Quando os médicos removeram cirurgicamente essa “bolsa”, eles entenderam que se tratava da camisinha.

Quando a paciente foi questionada sobre como o preservativo foi inalado, ela se lembrou de uma vez na qual havia feito oral no marido. “Eles [marido e mulher] podiam se lembrar que a camisinha se soltou durante o ato”, descreveram os médicos. “Naquela época, a senhora também teve um episódio de espirro ou tosse.”

Mesmo após a operação, alguns pequenos pedaços do preservativo permaneceram presos no pulmão. Por isso, pode ser que ela tenha que repetir o procedimento para avaliar a traqueia, os brônquios e parte dos pulmões. De qualquer forma, a professora deve se recuperar em breve, segundo os médicos.