Anúncios

Pryscila Andrade, médica veterinária que foi internada com a irmã depois de ter ingerido um peixe da espécie arabaiana, morreu nesta terça-feira (2/3). A mulher de 31 anos estava internada desde 18 de fevereiro, em um leito de , no Real Hospital Português, em Recife.

“O céu hoje estará te recebendo com muita luz, na casa do pai, e aqui jamais esqueceremos da sua humildade, caráter, da sua eficiência como profissional, meiga, linda, alegre, sorridente e cheia de luz. Seu vai ficar na minha memória eternamente. Te amamos, seus pais, irmãos, sobrinhos, Matheus, parentes e amigos”, escreveu Betânia Andrade, mãe de Pryscila.

No último dia 16, a empresária Flávia Andrade, de 36 anos, e a irmã dela, a médica veterinária Pryscila Andrade, de 31 anos, decidiram comprar um almoço no bairro do Pina, na zona sul da capital. Apesar de outras pessoas terem comido o peixe, apenas Flávia e Pryscila deram entrada no hospital quatro horas depois.

“Flávia fez um almoço na última quinta-feira e convidou eu e Pryscila. Além de nós, tinha o filho de Flávia, de 4 anos, e duas secretárias. Os cinco comeram o peixe, menos eu. Quatro horas depois, Pryscila enrijeceu toda, teve cãibra dos pés até a cabeça e não conseguia andar. Meu neto, de madrugada, teve dores abdominais e diarreia, e as duas secretárias sentiram dores nas costas”, contou Betânia.

A mãe da vítima relatou ainda que, apesar de terem apresentado sintomas característicos, a síndrome de Haff só foi diagnosticada no dia 20. Flávia também foi diagnosticada com Haff, mas ficou estável e foi voltou pra casa no dia 24.

Pryscila prosseguiu internada na UTI, com o estado de saúde mais delicado. Ela ficou com o fígado comprometido, os rins paralisados e com água no pulmão, de acordo com Betânia Andrade. Ela era médica veterinária e especialista em equina. Atleta de vaquejada, praticava o pelo haras Maria Bonita, em Sergipe.

Síndrome de Haff

A doença de Haff está associada à ingestão de crustáceos e pescados e o principal sintoma é o escurecimento da urina, que chega a ficar da cor de café. No caso de Pryscila, aconteceu pela ingestão do peixe da espécie arabaiana.

A síndrome pode evoluir rapidamente: os primeiros sintomas surgem entre duas e 24 horas após o consumo de peixe e causa, principalmente, a ruptura das células musculares. Além da urina preta, entre os principais sinais da doença, estão a dor e rigidez muscular, dormência, perda de força e falta de ar.

A hipótese mais aceita é que a enfermidade seja causada por alguma toxina biológica termoestável (ou seja, que não é destruída pelo processo normal de cozedura) presente em de água doce e crustáceos.

A substância não altera o sabor ou a cor do alimento, o que facilita a contaminação. Alguns frutos do mar que foram consumidos por pacientes diagnosticados com a síndrome incluem espécies como o tambaqui, pacu-manteiga, pirapitinga e lagostim.

É importante que a doença seja identificada e tratada rapidamente, pois pode trazer complicações graves para o paciente, como insuficiência renal, falência múltipla de órgãos e óbito.

Outra possível consequência do problema é a síndrome compartimental, que ocorre quando existe um aumento da pressão arterial numa parte específica do corpo, o que pode colocar em risco os músculos e nervos dessa região.