Anúncios

Uma mulher de 36 anos foi presa, na madrugada desta quinta-feira (4), após confessar ter assassinado a tiros e enterrado o marido, em União do Sul (719 km de Cuiabá). A assassina cometeu o crime enquanto a vítima dormia, na madrugada do dia 19 de fevereiro, no assentamento Jaguari.

Segundo o delegado Pablo Carneiro, a mulher havia registrado o desaparecimento do seu marido e dados várias versões desconexas da história. Por fim, ela se apresentou na Delegacia de Polícia, com um advogado e confessou o crime, 13 dias depois.

Em depoimento, a acusada contou que após, supostamente, ter sido agredida, esperou o marido dormir e deu um tiro na cabeça dele, com uma espingarda calibre 22. Em seguida, pediu ajuda de um rapaz de 20 anos, que mora em sua rua e da filha de sua vizinha de 17 anos para se livrar do corpo.

Nos fundos da casa, uma cova de dois metros de profundidade foi cavada, pelos três. Em seguida, na calada da noite, eles colocaram o cadáver da vítima no buraco e o cobriram com terra.

Como pagamento pelo serviço, ela deu o celular do esposo e a arma que usou para assassiná-lo para o jovem.

No dia seguinte, ela fez arranhões e ferimentos no próprio corpo, procurou uma unidade médica e registrou um boletim de ocorrência por agressão. Para o delegado, ela segue afirmando ser vítima de violência doméstica, e diz ter tomado essa postura, pois, a última “surra” não deixou marcas.

Entretanto, várias testemunhas contestam a mulher, afirmando que a vítima não apresentava comportamento agressivo e a tratava muito bem.

O delegado a auto em flagrante por ocultação de cadáver e corrupção de menores, como o flagrante do homicídio já havia expirado, ele representou também pela prisão preventiva. O comparsa de 20 anos também foi preso e autuado no flagrante de ocultação de cadáver, corrupção de menores e porte ilegal de arma de fogo.

O corpo da vítima foi removido da cova pela perícia e encaminhado para exame de necropsia. 

O caso segue em investigação. O delegado Pablo ainda irá ouvir mais pessoas, para encaixar as peças dos fatos.