Anúncios

Desde o início da Pandemia, a Superintendência de Arquivo Público (SAP), unidade ligada à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), disponibiliza pela plataforma AtoM documentos históricos do Estado de Mato Grosso. Para acessar clique AQUI.

A plataforma online é um software livre que visa promover a difusão dos documentos e fornecer descrição arquivística, em vários níveis, além de permitir que o usuário acesse os documentos digitalizados pelo órgão de acordo com as normas do Conselho Internacional de Arquivos (CIA).

De acordo com o secretário de Planejamento e Gestão, Basílio Bezerra, o AtoM auxiliará na preservação da história e na difusão dos documentos custodiados pela Seplag. “A atual prima pela difusão e preservação da nossa história e essa ferramenta é fundamental para darmos visibilidade ao acervo e democratizar o acesso a ele”.

Atualmente o Arquivo Público possui 18.599 registros digitalizados, divididos em dez conjuntos históricos, totalmente disponíveis para o download, descritos e revisados pelos profissionais da instituição.

Entre os documentos estão a três fortificações da capitania de Mato Grosso 1768-1822, reconhecidos em 2018, pelo programa Memória do Mundo da UNESCO. Também integram o acervo o Forte de Nossa Senhora da Conceição, Presídio de Miranda e Real Forte Príncipe da Beira.

Outro conjunto é o acervo de documentos textuais e fotográficos produzidos no período colonial e no início da república, em terras que hoje são e Mato Grosso do Sul, e os arquivos da Câmara de Cuiabá do século XVIII; fotografias do final do século XIX e início do século 20.

Além disso, estão disponíveis coleções dos arquivos privados de Jair Rodrigues de Carvalho (servidor estadual aposentado que trabalhou na colonização do Estado nas décadas de 70 e 80), e Adelaide de Almeida Orro (importante enfermeira no Estado que promoveu a dos profissionais nesta área), figuras que ganharam notoriedade na história mato-grossense.

“A plataforma facilita a conexão aos pesquisadores, alunos e professores que podem ter o acesso direto a essa fonte documental na internet, além de divulgar as informações e o conhecimento da memória do Estado”, comenta a superintendente do Arquivo Público, Vanda da Silva.

Arquivo Público

Além de guardar e preservar um patrimônio documental histórico, o arquivo público garante livre acesso a toda a população. O local tem alimentado pesquisas, entre monografias de conclusão de curso, dissertação de mestrado, teses de , dentro e fora do estado.

Após a implementação do site institucional em 2016, o portal se tornou referência no acesso à informação histórica no Estado. Apenas em 2018, o portal teve pouco mais de 35 mil acessos, 21 mil relacionados a gestão de documentos, e 14 mil aos documentos históricos.