Anúncios

O papel da auditoria interna de adicionar valor aos resultados das instituições públicas foi o foco da programação especial relativa ao Dia do Auditor Interno. O evento on-line foi realizado nesta semana em conjunto pela Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) e Associação dos Auditores da CGE (Assae).

O ponto alto da programação foi a palestra “O Papel da Auditoria Interna no Modelo de Três Linhas”, ministrada pela coordenador-geral de Métodos, Capacitação e Qualidade da Controladoria Geral da União (CGU), Sérgio Filgueiras de Paula.

Na explanação, o representante da CGU explicou que o “Modelo de Três Linhas” foi instituído no ano de 2008 pelo Institute of Internal Auditors (IIA) para ajudar as organizações a identificar estruturas e processos que facilitem a governança e o gerenciamento de riscos e melhor auxiliem no alcance dos objetivos.

O modelo estabelece os papeis da gestão e da auditoria interna no controle das atividades de uma organização. Compete à gestão (alta administração e profissionais dos níveis tático e operacional) os papeis da primeira e da segunda linhas no controle interno. Já a terceira linha de controle é de competência da auditoria interna, representada pelas Controladorias e Auditorias-Gerais da União, dos estados e dos municípios.

“Quando se fala em controle interno, logo se associa à CGU e as Controladorias estaduais. Contudo, a gestão é responsável primária do controle interno, de liderar e dirigir ações, estabelecer e manter estruturas e processos, garantir a conformidade etc. Já a auditoria interna é responsável por avaliar se os controles instituídos pela gestão são adequados. E todos eles (gestão em todos os seus níveis e auditoria interna) devem estar alinhados em suas respectivas ações com vistas à condução de políticas públicas e à prestação de serviços de interesse da sociedade”, comentou.

O modelo passou por recente atualização, na qual a auditoria interna passou a ter o propósito preponderante de agregar valor às organizações e não somente analisar situações pontuais e encontrar erros e falhas de gestão.

Para tanto, direciona a atuação a riscos-chave, de relevância, no momento do acontecimento e com base na estratégia da organização em análise. “A auditoria interna deve avaliar os macroprocessos, identificar os riscos envolvidos e contribuir com sugestões de melhoria para que a gestão atinja seus objetivos como um todo”.

Apesar de ter independência de atuação, a auditoria interna, como terceira linha de controle, deve ser aliada do órgão que está sendo avaliado.

“A auditoria interna é independente na avaliação e assessoria da gestão, o que não significa atuar isolada. Ao contrário, a auditoria interna deve ser parceira do bom gestor, ajudá-lo, de forma sistematizada e disciplinada, a melhorar seus processos e, consequentemente, a atingir os objetivos da organização”, destacou o representante da CGU.

Desafios

O secretário-controlador geral do Estado, Emerson Hideki Hayashida, destacou que, apesar da recente atualização no modelo, a CGE vem atuando nesta linha desde o ano de 2014, quando a função essencial da instituição passou a ser de agregar valor aos serviços públicos. Entretanto, segundo ele, a Controladoria ainda tem muito a avançar no envolvimento mais efetivo com a gestão pública para potencializar os resultados entregues à sociedade.

“O Dia do Auditor é um momento de alegria. Porém, também é momento de sabermos que por trás desse nome de auditoria interna existe uma enorme responsabilidade. Temos o dever de contribuir, de melhorar a gestão e, consequentemente, melhorar a qualidade do serviço público prestado”, disse.

Pensando a profissão além do que é conhecido pela sociedade, o secretário-controlador defendeu que os desafios impostos pelas discussões sobre o controle interno precisam resultar numa quebra de paradigmas.

“Os desafios do controle são gigantes. A função do controle interno evoluiu no Brasil e no mundo, o que não contempla mais que atuemos somente para encontrar problemas. Temos de ir muito além disso. Precisamos identificar as causas dos problemas e propor soluções para que isso reverbere numa melhor entrega de serviços públicos”, observou o titular da CGE.

Já presidente da Assae, André Luiz Costa Ferreira, pontuou alguns valores inerentes à atuação dos auditores, como responsabilidade, imparcialidade e comprometimento com a gestão pública.

“Gostaria de abrir a palestra falando sobre paixões e a realidade. Aprendi com o meu pai que todas as instituições são perfeitas. O problema são os homens, que são falhos. Não devemos permitir que a paixões nos guiem quando falamos de gestão pública. O que nos pertence é trabalhar para poder engrandecer e construir uma instituição forte (CGE-MT), tão importante para o Estado de ”, ressaltou.

Parceria

O presidente da Assae enfatizou a importância do papel da associação, assim como a função social da Controladoria. Apontou como foi essencial a parceria entre a entidade e a CGE-MT nos anos de 2019 e 2020 na promoção de capacitações voltadas ao aprimoramento do conhecimento dos auditores e, por consequência, da qualidade do atendimento prestado aos órgãos estaduais.

“Neste biênio (2019/2020), a oportunidade que tivemos de trabalhar em conjunto no desenvolvimento de palestras, cursos e agora lives será benéfica para nossa carreira e para o fortalecimento da nossa instituição”, comemorou ele, cujo mandato se encerra no dia 31 de dezembro de 2020.

O evento teve também a exibição de mensagens gravadas pelo 2º vice-presidente do Conselho Nacional de Controle Interno e controlador-geral do Estado de Mato Grosso do Sul, Carlos Eduardo Girão de Arruda; e pelo presidente do Fórum Nacional Permanente das Carreiras Típicas de Estado e da Federação Nacional dos Auditores de Controle Interno Público, Rudinei Marques.