Anúncios

Menino brasileiro, vítima violência doméstica, que fugiu de casa quando tinha 6 anos e se perdeu, conseguiu localizar a família agora, 27 anos depois de muita procura, angústia, algumas lembranças e muita saudade.

Antônio Carlos lembra que, na ocasião, correu até um ônibus, adormeceu durante a viagem e quando viu estava em . O menino do Cariri se viu sozinho em plena cidade grande e foi dado como desaparecido.

O garotinho viveu nas ruas e em abrigos da capital, até que foi adotado por Bernardo Rosemeyer, um ex-frei alemão radicado no e que acolhe crianças e adolescentes em extrema vulnerabilidade social na Associação Pequeno Nazareno, em Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza.

Conforme informações do portal Só Notícia Boa, agora, com 32 anos, casado e pai de uma menina, o motorista Antônio Carlos da Silva, morador de Maranguape, reencontrou a família.

Um amigo dele distribuiu panfletos na cidade e um deles foi parar nas mãos do irmão caçula de Antônio Carlos, que ele nem chegou a conhecer.

“Ele era muito calado. Mas chegou um momento em que conversamos sobre isso e ele mesmo decidiu que queria procurar a família biológica, resolver isso na cabeça dele”, disse o pai adotivo Bernardo Rosemeyer ao Diário do Nordeste.

Depois de uma conversa aberta, Bernardo e Carlos tiveram a ideia de fazer panfletos com a e a foto mais próxima dele, da época do desaparecimento.

Eles começaram o texto dizendo com “Há 27 anos não vejo a minha mãe” e terminaram com “a esperança me impulsiona de continuar nessa busca, independente do resultado”.

Um amigo dele, também chamado Antônio Carlos, entrou na e viajou para o Cariri, com destino a Juazeiro, com dois mil panfletos nas mãos.

Ainda segundo o site, o amigo deixou uns panfletos no hotel municipal de Araripe. Um passou por lá, pegou o panfleto, levou pra casa, leu com atenção e se assustou.

Na tarde de terça-feira, 24 de novembro, ele ligou para o número que estava no papel e, entre um diálogo e outro, as semelhanças só aumentavam.

“Cara, tu é meu irmão. Eu não tô acreditando!”.

O incrédulo era Clécio, que nasceu depois do desaparecimento de Carlos. Nas conversas, Clécio contou coisas boas e ruins.

A mãe de ambos, Geane, faleceu em 2017, vítima de câncer.

Clécio disse que ela nunca se esqueceu do filho desaparecido, nem deixou de procurar.

“Ela sempre falou desse filho, sempre dizia que alguém tinha carregado. Poucos dias antes de morrer, ela falou que viveu com um cara que batia muito nela e acabava batendo no Carlos também. Numa briga, ele fugiu de casa. E daí ela acha que depois alguém o carregou”, disse Clécio.

Ele contou que ninguém mora mais em Antonina do Norte, cidade do Cariri onde Carlos viveu e de onde fugiu.

Os outros irmãos, Diego (Mora em Goiânia), Fernanda e Natália (moram em Petrolina-PE) estão vivos e vibraram de alegria com a novidade.

A avó Francisca mora em Lagoa Grande (PE). Dona Mocinha, como é conhecida, ainda não sabe da novidade – os netos vão viajar no próximo fim de semana para contar pessoalmente que Carlos foi encontrado.