Anúncios

de Mato Grosso requisitou a instauração de um procedimento investigativo criminal contra o padre , de (762 km ao norte de Cuiabá) após ele postar nas redes sociais que a de 10 anos, estuprada por 4 anos no Espírito Santo, e que chegou a engravidar do tio, “gostava de dar”. O MP, por meio da promotora de Alta Floresta, Laís Rezende, quer que a investigue ” possível cometimento de crime de apologia ao estupro, na modalidade de incentivo”.

O MP ainda enviou à igreja um ofício para que informe as providências administrativas de apuração da conduta do pároco.

O Ministério Público informou que, quanto aos danos individuais, causados à vítima, estes devem ser apurados no local em que a família tomar conhecimento dos fatos.

Entenda o caso

O padre postou, na início desta semana, uma mensagem contra o aborto, porque a criança foi submetida ao procedimento com autorização judicial. Nos comentários, internautas criticaram o padre. Foi quando ele fez os comentários afirmando que a criança “gostava de dar”.

O páraquo foi afastado da igreja, mas ainda não foi informada nenhuma decisão definitiva.

Após a repercussão negativa, o padre publicou uma nota admitindo que foi o autor dos comentários – antes ele havia negado – e pediu desculpas.

OUTRO LADO

A equipe de reportagem tentou contato com o advogado da  Mitra Diocesana de Sinop, Cláudio Alves Pereira, e com o bispo Canísio Klaus, mas não conseguiu até a publicação desta matéria.