Anúncios

Laudos periciais do local do crime e balística vão trazer à tona a verdade sobre o homicídio da estudante Isabele Guimarães Ramos, 14, na noite de 12 de julho, no condomínio Alphaville, aponta o perito Carlos Roberto Angelotti, 59, chamado para atuar como assistente técnico no inquérito policial pela família da vítima. Ele aguarda também a entrega dos laudos, quando será realizada a reprodução simulada do crime, da qual irá participar. Com base no laudo de necropsia, a que já teve acesso, antecipa que o disparo que matou a Isabele não foi acidental.

Prefere não se manifestar sobre a investigação que está em curso, mas garante que a testemunha de um perito nunca mente. Trata-se do corpo da vítima, em local de crime, que é revelador. Professor da Academia de Polícia de disciplinas de local de crime e balística, o perito aposentou-se recentemente com 32 anos de atuação junto à Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). Ele criou o método de reprodução simulada que é utilizado pela instituição e foi mestre de grande parte dos peritos responsáveis pela emissão dos laudos deste crime. Bem por isso teve o cuidado de se manter afastado, aguardando a finalização dos trabalhos dos colegas. Segundo assessoria da Politec, o laudo de balística deve ficar pronto nesta terça-feira (4) e, em seguida, o de local de crime. Mas ambos serão entregues ao mesmo tempo para o titular da Delegacia Especializada do Adolescente (DEA), que investiga o homicídio culposo. A autora do crime é outra adolescente de 14 anos, que disse que a morte da amiga decorreu de um disparo acidental.

Acredita o perito que, no caso de Isabele, a reprodução pode se estender durante todo o dia. Testemunhas e autores do fato, em separado, mostram, no local do homicídio, sua atuação, permitindo o confronto entre o que se declarou em depoimento e a dinâmica do crime, apontada pela perícia.

O caso

A adolescente Isabele Guimarães, de 14 anos, morreu na casa da amiga, filha do empresário Marcelo Cestari, na noite do dia 12 de julho deste ano. As informações são que a amiga estava indo guardar duas armas e que em um acidente, as armas caíram e ao pegá-las uma disparou acidentalmente, acertando Isabele, que estava dentro do banheiro do quarto da amiga. O tiro acertou o nariz e saiu na nuca.

Na mesma noite, a Polícia Civil apreendeu sete armas na residência, sendo duas em nome de uma terceira pessoa. Por não ter o porte das armas, Marcelo foi preso em flagrante e pagou R$ 1 mil para ser solto.

As duas armas são do sogro da adolescente B.O.C. e foram levadas até a casa pelo namorado da jovem.

Um laudo preliminar do Instituto Médico Legal (IML) apontou que o disparo que vitimou a adolescente Isabele Guimarães Ramos, foi feito a curta distância, com a bala percorrendo uma trajetória em linha reta.

Os peritos encontraram pólvora no corpo da menina, o que reforça a tese de tiro disparado de perto.

Segundo informações, após a coleta de vestígios no dia do crime, os peritos relataram que o tiro teria sido dado a uma distância de 30 cm a 40 cm.