Anúncios

Após a Operação do Batalhão de Operações Especiais (Bope), que trocou tiros e matou dois bandidos, na noite dessa quarta-feira (5), na Rua dos Penitentes, no bairro Altos da Serra, em , os militares apreenderam o celular de um dos criminosos e descobriram em um grupo de WhatsApp conversa onde participantes sugerem a execução de policiais.

O membro do grupo, identificado com a frase ‘Deus Seja Louvado’ explica que se não reagirem às ações e operações do Bope a ‘gurizada’ vai continuar morrendo e ninguém faz nada.

“Gurizada, vamos começar a matar polícia na rua porque senão todo dia vai ser assim morrendo, gurizada. Ninguém mata polícia por isso, os caras estão matando os caras na rua. Fica tudo pagando de bandido, mas é bandido só para matar um ao outro. Ninguém faz nada para acabar com isso. Altos, cara bom morrendo na rua”, diz trecho da mensagem.

Outra parte que chama atenção é que o bandido afirma que “quando sair vai ser daquele jeito, vai para a quebrada e matar um policial, aí quer ver quem são os bandidos mesmo na quebrada, porque o trem vai ficar loko”.

Em outro trecho, após alguns áudios de resposta, o bandido reforça “Cadê suas pt (patrulha), vamos colocar nossas equipes na rua pra matar polícia. Tenho uns guri ali, loko pra ir pra cima desses c**zão. Se garante veado”.

As mensagens estão sendo monitoradas pelo Serviço de Inteligência, que trabalha para identificar o criminoso que incentiva os homicídios contra os militares e ainda os outros participantes do grupo envolvidos no caso e com organização criminosa.

Veja o vídeo

Entenda o caso

Dois homens morreram na noite da última quarta-feira (05) após um confronto com homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope), no Bairro Altos da Serra, em Cuiabá. Um dos mortos foi identificado como Maykon Luiz Santana Carvalho, de 21 anos. O rapaz tinha diversas passagens criminais por roubo, furto e ameaça.

Segundo informações preliminares, os policiais foram combater o tráfico de drogas na região, quando foram recebidos a tiros pelos criminosos. Dois jovens de 21 anos e 17 anos foram baleados, socorridos para o Hospital Municipal de Cuiabá, mas não resistiram e morreram.

O comandante do Bope, tenente-coronel Ronaldo Roque, afirmou que a casa onde os bandidos estavam não tinha característica de boca de fumo, mas, sim, de ponto de distribuição de drogas.

Foram encontradas dois tabletes de drogas, um caderno de cobrança, além das duas armas – revólver 38 e uma pistola 380 – que estavam com os criminosos que morreram.

Em entrevista à imprensa, o coronel Ronaldo Roque, comandante do Bope, contou que as equipes estavam em patrulhamento pela região, já conhecida pela prática de tráfico de drogas, quando foram recebidos a tiros.

“Nossa conduta de patrulhamento é diferenciada, as viaturas andam afastadas um da outra. As primeiras já foram alvo dos disparos, a gente conseguiu identificar de onde vinha, fizemos o cerco e começou o conflito”, destacou o comandante

Quando uma das equipes chegou na porta da casa onde os suspeitos estavam, 3 deles fugiram e outros dois continuaram no local. Eles não obedeceram as ordens dos policiais, e um deles, após atirar na direção dos policiais, acabou sendo baleado. Ele estava em posse de um revólver calibre 38.

Ainda no local, um dos suspeitos tentou fugir, não respeitou a ordem de parada e acabou baleado. Ele estava em posse de uma pistola com 5 munições e um carregador. Os dois feridos foram socorridos ainda com vida e encaminhados pelos policiais até a Policlínica do Planalto.

Equipe médica realizou os procedimentos padrões, mas não adiantou e a dupla acabou morrendo. A casa em que o grupo estava foi isolado pelos policiais, que encontraram duas porções grandes de maconha.

Investigação da Polícia continua para identificar os outros 3 suspeitos que fugiram da cena do crime. O corpo dos mortos foram liberados pela equipe da Delegacia de Homicídios.