Anúncios

Um homem de 30 anos agrediu o recepcionista de um hotel em Varginha, no Sul de Minas, após, supostamente, se recusar a medir a temperatura, contrariando normas de prevenção ao coronavírus. O caso aconteceu na noite do último sábado (8), mas as imagens foram divulgadas somente nesta terça-feira (11).

Nelas, gravadas pelo circuito interno de do Via Garden Hotel, é possível ver que o hóspede fica exaltado com o funcionário do local, que segura um termômetro. Eles começam a discutir e, então, o cliente vai para trás do balcão e começa a agredir a vítima.

No entanto, o recepcionista reage, e também bate no rosto do agressor. Só depois que uma mulher chega a briga é apartada e o homem vai embora. Veja o vídeo:

À Polícia Militar, o recepcionista contou que foi agredido após o cliente ter se recusado a medir a temperatura corporal para se hospedar e, depois do fato, o suspeito teria ligado diversas vezes para o estabelecimento para ameaçá-lo. Já a outra parte disse que o recepcionista teria sido grosseiro com ele, por isso, a briga começou. Ninguém foi preso.

Outro lado

A reportagem solicitou um posicionamento da defesa do homem que iniciou as agressões. Conforme o seu advogado, Ruan Rezende, as imagens que mostram a confusão não evidenciam a verdade dos fatos.

Segundo ele, o homem foi agredido verbalmente e também sofreu discriminação por parte do atendente do hotel, o qual criou empecilhos injustificados para não realizar a reserva. “Ressalta-se em momento algum o atendente do hotel pediu para auferir a temperatura do cliente. Pelo contrário, o atendente, a todo o momento, tratou o cliente com desprezo e ironia, debochando da situação e da sua condição , e passou a buscar motivos para não realizar a reserva do quarto, inclusive exigiu o pagamento da diária de forma antecipada, vistoriou a placa do veículo, solicitou documentos pessoais da namorada do cliente. Essas exigências são atípicas para a situação”, disse.

Com o objetivo de resolver o problema, o homem teria solicitado a presença do gerente, mas o pedido foi negado. “O recepcionista ainda perseguiu o cliente até o veículo para tentar agredi-lo novamente. Após o ocorrido, o atendente ainda ligou diversas vezes para o telefone registrado no cadastro do cliente para ameaçá-lo”, afirmou o advogado em nota.

“O cliente afirma que sempre foi bem tratado pelo hotel e exalta as suas experiências passadas naquele local. Assim, devido à situação e a parcialidade dos fatos levados a público, as medidas judiciais cabíveis serão tomadas em face dos responsáveis”, concluiu.

Também procurado pela reportagem, o hotel informou que repudia o acontecido e “lamenta profundamente” a agressão sofrida pelo funcionário. “Informamos que estamos tomando as devidas providências legais”, diz o estabelecimento em nota.