Anúncios

Uma jovem, de 18 anos, moradora de Cuiabá, usou o Twitter na manhã desta quarta-feira (05) para denunciar um estupro que teria sofrido. O suspeito do crime, apontado pela suposta vítima, é um estudante do curso de medicina da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

“Resolvi expor uma pessoa que me fez muito mal e eu nunca tive coragem de falar, mas com o apoio das minhas amigas, aqui estou eu: fui estuprada por um estudante de medicina da UFMT”, disse a vítima no primeiro post feito na rede social.

A jovem relatou na página dela em uma rede social que o estudante a buscou em um lugar onde ela estava depois de uma briga familiar e a levaria até a casa de uma amiga. Naquele momento, ela contou a ele que estava mal.

No post, ela diz que ele demostrou preocupação e lhe ofereceu um remédio.

“Eu tomei o remédio e fiquei meio grogue. Depois, tentei conversar e ele começou a passar minha mão no pénis. Estava dirigindo já e eu percebi que mudou a rota e no final me levou pra um motel. Meu celular já tinha descarregado, porque eu tinha carregado pouco. Pedi para usar meu Instagram no celular dele, loguei para falar com minhas amigas e ele mandou foto do pênis dele pra algumas meninas, depois começou a falar como se fosse eu”, continua a vítima em seu depoimento na rede social.

Uma das amigas teria bloqueado a estudante, achando que ela mesma teria mandado as fotos. “Fui para a casa de um amigo. No outro dia fui tomar banho e achei camisinha e maconha dentro da minha vagina. Tiveram outros detalhes que eu prefiro não falar e, resumindo, foi isso. Fui violentada quando estava psicologicamente e fisicamente vulnerável”

Revoltados, diversos usuários da rede social começaram a mandar mensagens de apoio para a vítima e abarrotaram o perfil do universitário no Instagram, que resolveu suspender sua conta. Até o momento, ele ainda não se pronunciou.

Alguns usuários da rede social perguntaram porque a garota decidiu expor o caso no twitter e não procurou a Justiça. Em resposta, ela disse que “infelizmente as coisas são bem mais complicadas do que você imagina, o que me faz pensar que um exposed aqui tem muito mais eficácia do que a própria Justiça”.

O desabafo da vítima na rede social também deu força para que outras pessoas contassem suas histórias. Uma delas disse também ter sido assediada por um estudante de medicina da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). “Já tinha dito que não queria ficar com ele e ele simplesmente grudou no meu pescoço, me forçando a beijá-lo, se não fosse pela minha amiga me tirar, eu ão teria conseguido sair”.

Outra usuária do twitter também aproveitou para fazer acusações contra o mesmo estudante de medicina. “Eu conheço esse cara, teve uma festa que eu e a minha amiga estávamos bêbadas e ele tentou se aproveitar de nós. Cara, passando a mão, dando em cima, só que ele não conseguiu nada com nós duas”.

Reprodução

Na tarde desta quarta-feira a postagem tinha mais de 9 mil compartilhamentos e 38,9 mil curtidas, além de milhares de mensagens de apoio à vítima.

Somente depois relatar o caso em sua rede social é que ela buscou a PJC para registrar ocorrência. Nome e idade do acusado não foram divulgados, embora ele já tenha sido identificado.

O aluno de medicina da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) acusado de dopar e estuprar a jovem, pode ser excluído da universidade. A informação é de uma nota divulgada pela instituição nesta quarta-feira (5).

Confira na  íntegra a nota da UFMT:

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e a Faculdade de Medicina (FM) informam que acompanham o caso e aguardam as investigações dos órgãos de segurança, em respeito à legislação vigente no país.

A Instituição assevera que o comportamento citado na denúncia é inaceitável e incompatível com a postura esperada de seus alunos e comunidade como um todo.

De acordo com o regimento de disciplina do corpo discente da UFMT, a prática de atos incompatíveis com a vida universitária e a condenação criminal definitiva por crime incompatível com a vida universitária são hipóteses passíveis de exclusão da Instituição.

Confira a nota da UEE:

ESTUPRO é CRIME e a culpa NUNCA é da vitima!

A diretoria da União Estadual dos Estudantes, vem, por meio desta nota, repudiar o ato de violência sexual sofrida pela estudante* em Cuiabá, sob o contexto e decorrente das relações estudantis na Universidade Federal do Estado de Mato Grosso.

De antemão, repudiamos qualquer ato que reverbere o machismo estrutural na sociedade em que vivemos, dentre outras práticas MISÓGINAS, que resultam em violação, degradação e morte de nossas mulheres, e prestamos toda nossa solidariedade e acolhimento à vítima*.

A mesma acusa um estudante de medicina da UFMT pela violência sofrida.

Informamos que entramos em contato com a UFMT e a Faculdade de Medicina, ambos ja se posicionaram sobre o caso.

Destacamos que aguardamos pelo cumprimento do papel da justiça e das investigações para elucidação dos fatos.

 

O Saiba Tudo Mato Grosso (MT) é um site sem vínculos partidários, sem preconceitos ideológicos e não está a serviço de grupos econômicos. O nosso valor é a qualidade da informação.