Anúncios

Um recém-nascido foi submetido a cirurgia para corrigir uma má-, na noite da última segunda-feira (24), no de (MS). Após 24 horas do nascimento, a equipe médica da Maternidade Cândido Mariano diagnosticou que o bebê não tinha o ânus.

O menino foi encaminhado para o hospital regional, onde passou pelo procedimento e recebeu uma bolsa de colostomia. A família disse à reportagem que ainda não é possível saber se ele passará por outras cirurgias e quando será a alta.

Nasceu sem ânus

Os familiares afirmam que havia pediatra na sala de parto quando o menino nasceu, por volta das 6h do domingo. No entanto, nada foi repassado aos familiares. “O bebê até tomou banho no mesmo dia, às 14h. O pediatra olhou novamente e disse que ele estava normal para a mãe”, conta uma parente.

A jovem, que tem 17 anos, teve o bebê de parto normal e foi acompanhada pela avó no nascimento da criança. Nesta segunda-feira, o bebê foi internado na sala de parto e sem visitas.

“Só hoje, um dia depois, que nos falaram isso, que ele não tem ânus. O alimento dele está voltando pela boca e ele precisa de uma vaga urgente em hospital para operar. Nenhum médico, nenhum pediatra, apareceu para explicar. E outra coisa: como pode passar por avaliação do médico e só verem isso 24 horas depois?”, questiona um dos familiares.

O que diz a maternidade

“Dependendo do tipo de malformação, o diagnóstico só é possível de 24 horas a 48 horas após o nascimento, quando o recém-nascido apresenta sintomas como vômitos e distensão abdominal. Foi o que aconteceu com o bebê”, diz maternidade em nota.

Família precisa de ajuda

A criança está estável na (Unidade de Tratamento Intensivo). Agora, a família precisa de ajuda para que os pais possam visitar diariamente o filho.

Conforme a família, os disseram que o bebê precisará ficar de quinze a vinte dias recebendo os cuidados necessários antes de receber alta. Além disso, existe a possibilidade de fazer outra cirurgia quando ele fizer um ano. Enquanto isso, ele se recupera usando a bolsa de colostomia e se alimentando por sonda.

O pai da criança trabalha como ajudante de pedreiro e recebe a cada quinzena. Com isso, a família pede auxílio para que eles possam ver o filho todos os dias no hospital.

“A mãe do bebê precisa de ajuda para ficar indo até o hospital diariamente pra visitar o bebê, já que a mesma não pode ficar lá. No momento eles não tem para ficar se locomovendo até o hospital diariamente”, explicou um familiar. Para quem puder apoiar a família, pode ligar ou enviar uma mensagem para o número (67) 99200-1289.