Depois da pressão popular e de patrocinadores, a diretoria do Operário Várzea-grandense decidiu que não irá contratar o goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza, condenado a mais de 20 anos de prisão pelo sequestro, assassinato e ocultação do cadáver de Eliza Samudio, em 2010. Um comunicado foi emitido à imprensa sem detalhar o motivo da desistência. Veja o informativo do clube esportivo no final da matéria

Na noite de terça-feira, na estreia do Operário VG no Campeonato Mato-grossense, dezenas de mulheres e homens se manifestaram na porta do Estádio Dito Souza, em Várzea Grande. Com faixas e gritos de protesto, os manifestantes afirmavam que: ‘Feminicida não pode ser exemplo’; ‘Matar mulher é grave sim’; ‘Não compre ingresso, não pague para ver feminicida’; ‘Operário sim, assassino não’.

No último domingo (19), foi criado um grupo no WhatsApp intitulado “Bruno não”, para organizar a população e promover atos contra a vinda do ex-goleiro do Flamengo.

Além disso, desde o final de semana, imagens circulam nas redes sociais, em que aparece o clube com a estampa de “Vergonha da Fronteira”, fazendo trocadilho com o apelido do time que é “Chicote da Fronteira”.

Nesta semana, o time também foi desautorizado a utilizar a marca da Eletromóveis Martinello e a cooperativa Sicredi removeu seu logo dos uniformes.

Veja abaixo o comunicado emitido pelo time

 

O Saiba Tudo Mato Grosso (MT) é um site sem vínculos partidários, sem preconceitos ideológicos e não está a serviço de grupos econômicos. O nosso valor é a qualidade da informação.