A Polícia Civil de Rondonópolis (215 km de Cuiabá) investiga os padres J.A.S., e T.S.B. após denúncia de um coroinha de 17 anos, vítima de estupro praticado supostamente pelo sacerdote Thiago, em julho deste ano.

O menor afirma que manteve um relacionamento com T.S.B. dos 13 anos até os 17 anos. E que, em 29 de julho, decidiu terminar o namoro e acabou sendo violentado. Para que não denunciasse o caso, o sacerdote entregou R$ 50 ao jovem.

Consta no BO que, ao procurar a polícia, junto com uma tia, o adolescente entregou conversas que manteve com o padre e que comprovariam a relação. O jovem detalha na ocorrência policial que as investidas do padre T.S.B. começaram após a vítima se confessar com ele.

À época, com 13 anos, afirma que, antes de ir para a Formação de Adolescentes Cristãos (FAC), em setembro de 2015, teve um relacionamento com um colega de sala de aula da mesma idade. Depois decidiu confessar a situação ao padre T.S.B. que, segundo o relato, começou a se aproximar dele e com isso a pedir “nudes” (fotos sem roupa), o que foi atendido pelo jovem.

O padre, então, passou a levá-lo ao shopping da cidade para lanchar e ainda lhe dava dinheiro “tentando conquistá-lo”. E, em um dia, o padre levou o menino para a casa da avó onde, segundo registro no BO, tiveram a primeira relação sexual.

Reprodução

A vítima, hoje com 17 anos, diz que, a partir daí, engataram um relacionamento e que ambos permaneceram juntos até este ano.

Durante este período, o jovem menciona que chegaram a manter relação sexual com uma terceira pessoa, outro coroinha da Paróquia São José Operário. O adolescente relata também que, em um dos encontros, T.S.B. lhe confidenciou que teve uma relação com outro coroinha e que este menino ameaçou denunciá-lo. A situação teria sido resolvida com a compra de um aparelho celular.

O adolescente diz também que o padre foi transferido para Alto Garças (a 357 km de Cuiabá), mas que continuou a levar outros coroinhas para a cidade. O boletim de ocorrência foi registrado na Delegacia Especializada de Defesa da Mulher em Rondonópolis na manhã de 12 de novembro pela tia do menor.

Ela relata que decidiu procurar o sobrinho para saber o que estava acontecendo após um “aconselhamento” de outro padre. O menor então teria revelado a situação a ela. A Especializada pediu exame de corpo de delito da vítima, que entregou conversas que manteve com o padre à polícia.

Outro padre

Com 15 anos, o menino conta que padre T.S.B. enviou o contato dele para o padre J.A.S. e que ele se encontrou com o mesmo na frente do salão paroquial da igreja São José Operário. A vítima não conta qual foi o teor da conversa com J.A.S. Não fica clara também qual foi a conduta dele.

Em relação a ao padre J.A.S. no boletim, ficam registrados a apuração dos crimes de “aliciar, assediar, instigar ou constranger, por qualquer meio de comunicação, crianças com o fim de com ela praticar ato libidinoso (consumado), favorecimento à prostituição ou outra forma de exploração sexual de menor de 18 anos e maior de 14 anos (consumado). Corromper ou facilitar a corrupção de menores, utilizando-se de meios eletrônicos (consumado)”.

Já em relação a T.S.B. o caso foi registrado como investigação dos crimes de “aliciar, assediar, instigar ou constranger por qualquer meio de comunicação, estupro (consumado), favorecimento à prostituição ou outra forma de exploração sexual de menor de 18 anos. Estupro de vulnerável consumado, além de corromper ou facilitar a corrupção de menores, utilizando-se de meios eletrônicos (consumado)”.

A Diocese de Rondonópolis–Guiratinga, por orientação jurídica, não vai se posicionar acerca da denúncia envolvendo dois padres sobre suposto estupro, assédio e aliciamento denunciado por um menor.

O padre J.A.S. teria sido afastado das funções na igreja São joão Bosco, onde estava atuando.

Uma carta teria sido lida durante missa. Nela, a comunidade foi informada de que o padre foi afastado por três meses, mas não divulgou a motivação. O páraco também havia assumido o programa de rádio que foi comandado pelo padre João Paulo Nolli, encontrado morto em 9 de outubro de 2016.

A Paróquia São Sebastião, em Alto Garças informou que o Padre T.S.B. voltou para Rondonópolis há quase um mês. 

O site abre espaço para que ambos possam comentar o assunto e dar a sua versão.

Uma resposta em “Rondonópolis: Polícia investiga dois padres por estupro e assédio; Veja o boletim de ocorrência”