Anúncios

Um homem identificado como Marcos Rogério Lima, de 33 anos, suspeito de matar a ex-mulher dele com um tiro no rosto no Distrito de Caravaggio, município de Sorriso (400 km de ), planejava matar a família dela logo após o velório.

Segundo a , Marcos matou Débora de Oliveira Silva, de 37 anos, na segunda-feira (8), por não aceitar o fim do relacionamento, que durou 15 anos. Débora era mãe de cinco filhos, sendo três filhos de Marcos. Um dos meninos presenciou o crime.

O investigador Márcio Coutinho contou que o suspeito não tinha um bom relacionamento com a família de Débora e que ele já havia planejado matar o filho mais velho dela.

Conforme Márcio, o suspeito não tinha o apoio de ninguém e planejou o crime sozinho.

“Ele fez uma publicação nas redes sociais ameaçando a família. Pode ser que ele cometeria uma chacina no período da tarde, quando a família chegasse do velório”, disse.

No esconderijo onde Marcos estava, a polícia encontrou a arma que ele usou para se matar, a espingarda usada para matar a ex-mulher, além de lençóis e travesseiro.

“Ele pernoitou no local, como se estivesse esperando alguém, porque não teria motivo de ele ter cometido o crime e continuar perto da casa. Deduzimos que ele estaria ali para matar outras pessoas da família dela”, relatou o investigador.

A morte de Débora

Foto: Facebook/Reprodução

Débora foi atingida no rosto por um tiro de espingarda e socorrida por uma ambulância. Ela teve o rosto desfigurado por conta do disparo.

A vítima foi levada ao Hospital Regional de Sorriso, mas não resistiu e morreu.

O delegado que investiga o caso, Nilson Farias, informou que Marcos entrou pelos fundos da casa onde Débora morava e se deparou com o filho da vítima e a mulher.

“O filho tentou defender a mãe, mas não deu tempo e ele [o ex-marido] deu um tiro no rosto dela, na frente do menino”, contou.
Segundo a Polícia Civil, já havia uma investigação contra Marcos no setor de crimes contra mulheres na delegacia.

O suicídio

De acordo com a Polícia Civil, Marcos atirou contra si mesmo ao ser encontrado em um esconderijo e morreu enquanto era socorrido no hospital.

Ele era considerado foragido e procurado pela polícia. O suspeito estava escondido em um barraco, no Distrito de Caravaggio. Os policiais encontraram a casa fechada, mas o Marcos estava dentro do imóvel.

“Chegamos perto da casa abandonada e escutamos um tiro. Gritamos pelo nome dele, para que ele pudesse sair do local, pedimos para ele se entregar, mas não tivemos resposta. Quando entramos na casa ele estava abaixado com a arma embaixo do joelho, se agonizando”, contou o investigador.

Marcos foi socorrido pela polícia e levado na viatura ao Pronto Atendimento de Nova Ubiratã (506 km de Cuiabá), mas morreu na unidade médica.

CVV

Saiba Tudo  tem a de publicar informações sobre casos de suicídio ou tentativas que ocorrem em locais públicos ou causam mobilização social. Isso porque é um tema debatido com muito cuidado pelas pessoas em geral.

A (OMS) recomenda que assuntos relacionados a suicídio não venham a público com frequência, para que o ato não seja estimulado. O silêncio, porém, camufla outro problema: a falta de conhecimento sobre o que, de fato, leva essas pessoas a se matarem.

Depressão, esquizofrenia e o uso de drogas ilícitas são os principais males identificados pelos médicos em um potencial suicida. Problemas que poderiam ser tratados e evitados em 90% dos casos, segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria.

O CVV (Centro de Valorização da Vida) realiza apoio emocional e prevenção ao suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, email, chat e Skype 24 horas todos os dias.