Anúncios

Uma criança de 1 ano e 10 meses, identidicado como Arthur Raphael Silveira Costa que, segundo a família, foi agredido na Unidade Municipal de Infantil (UMEI) Charmêne Rosa da Silva, localizada no Jardim Nilmara, em Rondonópolis (215 km de Cuiabá), sofre com as marcas espalhadas pelo rosto. O caso aconteceu na última quarta-feira (20) e a família do garoto registrou o caso na Delegacia de Polícia.

A mãe do menino, Rhaiany Stefhany Silveira Besso, disse que recebeu uma ligação na última quarta-feira (20) da direção da Unidade para ir até o local. “Eu cheguei na UMEI e me disseram que meu filho estava dormindo e acordou com hematomas. Pedi para ver o meu filho e me assustei. Na hora pedi uma explicação, mas ninguém soube me dizer o que aconteceu, “ explicou Rhaiany.

Ainda conforme a mãe do garoto, a Diretora da Unidade disse que representantes da Secretaria de foi até o local e exonerou duas estagiárias que estavam cuidando das crianças e inclusive do garoto. “O caso aconteceu por volta das 12h e me avisaram só depois das 16h. Eu acho que estavam esperando os hematomas sumirem, mas isso não aconteceu e se exoneraram as estagiárias é porque sabem de algo, “ disse a mãe.

Após sair da Escola a mãe acionou a Polícia e um Boletim de Ocorrência (BO) foi registrado para apurar o caso. A criança passou pelo exame de corpo de delito e foi encaminhada para Santa Casa. “Na hora que eu cheguei o médico já queria acionar a Polícia dizendo que meu filho foi agredido. Mas eu disse que já havia registrado o BO. O médico deixou claro que as marcas são de agressões, “ relatou Rhaiany.

UMEI – Foto: Varlei Cordova

A avó do menino, Ângela Silveira, relatou que esse é o 1° ano que o neto vai para uma unidade escolar e que só foi por extrema necessidade. “A minha filha está desempregada e deixou o meu neto para ir em busca de um emprego. Agora minha filha está com medo de deixar o menino lá. Queremos uma resposta, “ desabafa Ângela.

Ainda conforme a avó do menino, esse não é o 1° caso que acontece na Escola. “Já teve um caso parecido no ano passado, mas a mãe não denunciou. Só tirou a criança da Escola. Acontece que nós não vamos nos calar. Queremos um esclarecimento, “ pontua a avó do menino.

O pai de Arthur, Anderson Costa de Souza, contou que o filho começou a estudar na creche há duas semanas e que estava gostando. No entanto, na terça-feira (19), ele voltou com uma marca de mordida no braço e, no dia seguinte, apareceu com outros hematomas.

Segundo Anderson, durante os exames, o médico informou à família que a criança não sofreu nenhuma queda e que os hematomas são de uma provável agressão.

Os resultados dos exames serão entregues à Polícia Civil, que deve investigar o caso.

O pai da criança informou que: “Ele está assustado. Qualquer coisa que falamos, ele começa a chorar. Não levamos ele na creche, por enquanto ele vai ficar com a avó, mas depois não sei o que faremos, pois a avó começa a trabalhar na semana que vem”, ressaltou.

Varlei Cordova / AGORA MATO GROSSO

A equipe de reportagem foi até a Unidade, que fica na rua da casa da criança, mas a informação é de que todos da direção estavam em uma reunião na Secretaria de Educação para discutir sobre o caso do garoto.

NOTA PREFEITURA

A secretária municipal de Educação, Carmem Garcia Monteiro, informou que tomou conhecimento do caso ainda na tarde de ontem (20) e que imediatamente determinou o afastamento das estagiárias.

A Semed também já encaminhou o caso para a jurídico da Semed que avalia a abertura de um Processo Administrativo Disciplinar para apurar a conduta dos funcionários da creche envolvidos no caso, bem como para esclarecer os fatos ocorridos.