Anúncios

A crise financeira da Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis (Coder), teve na manhã de ontem (15), mais um capítulo. Com pagamentos atrasados, trabalhadores terceirizados, que negociam o recebimento dos valores há meses, decidiram radicalizar no protesto e bloquearam os portões da empresa de economia mista. Com isso, os mais de 400 colaboradores ficaram impedidos de seguir para o trabalho nas ruas da cidade, já que os veículos que fazem o transporte não tiveram como sair do pátio da empresa.

Os terceirizados reclamam de atrasos que chegam há quatro meses para a maioria, sendo que, entre eles, há casos de quem não recebe pagamentos há mais tempo. Há poucos dias, eles realizaram uma e, com a promessa de que receberiam até a semana passada, continuaram o trabalho. Contudo, como isso não aconteceu, eles optaram por uma nova , para chamar a atenção da direção da Coder e do , José Carlos do Pátio, sobre a necessidade da quitação do débito.

Na tarde de ontem, os trabalhadores participaram de uma reunião com a gestão municipal e, por volta das 18 horas, o pagamento de um dos meses que são devidos foi feito. Segundo informado, foi firmado um acordo para que, até o dia 20 deste mês, o restante da dívida da Coder com os terceirizados seja liquidado. Com isso, para hoje (16) não está prevista nenhuma manifestação na sede da empresa e os serviços prestados ao município devem ser retomados normalmente. Caso até sexta-feira, prazo firmado no acordo, o restante do pagamento não aconteça, os terceirizados prometem novas manifestações.