Anúncios

A de Mato Grosso (PM-MT) demitiu de suas fileiras 7 policiais acusados de crimes como homicídio, estupro e exigência de vantagem indevida. A decisão foi publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (15).

Foram exonerados os soldados Clodoaldo Gonçalves de Mello, Janilson Profeta Santos, Bruce Batista Gusmão e Herickson Benedito Ferreira Soares, os cabos Isaac Gonçalves Gomes e Paulo Cezar de Arruda e o sargento Flite Rocha Ibane.

O documento é assinado pelo comandante-geral da PM, coronel Marcos Viera da Cunha. O fardamento e os apetrechos em posse dos ex-militares, tais como armas e munições, devem ser recolhidas em 5 dias após a publicação da exoneração.

Homicídios 

No caso do soldado Clodoaldo Gonçalves de Mello, ele foi condenado a 7 anos de prisão em regime semiaberto por tentar assassinar dois irmãos que teriam assediado sua namorada, em 2004, no Bairro CPA 2. Em um bar, o policial teria sacado uma arma e atirado contra os homens, que foram atingidos no abdômen.

O cabo Isaac Gonçalves Gomes é acusado pela morte do vendedor Antônio Vilson de Andrade, 47, e Sânia Lopes Neves Andrade, 31, no Bairro Doutor Fábio, em 2013. O ex-militar teria sido abordado pelo homem por mexer com Sânia, sua mulher. Foi quando Isaac sacou seu revólver e atirou nas vítimas.

Estupro 

O cabo Paulo Cezar de Arruda e o soldado Herickson Benedito Ferreira Soares, são condenados por estuprar uma mulher, em 2001. Conforme os autos do processo, os ex-militares faziam rondas pela Capital quando avistaram uma mulher e um homem discutindo. Eles, então, detiveram a mulher na viatura e, em um lugar afastado, cometeram o crime.

Vantagem indevida 

O sargento Flite Rocha Ibane e o solado Janilson Profeta Santos são acusados pela prática de exigência de vantagem indevida, também denominada concussão. Em fevereiro de 2015, eles teriam exigido R$ 300 de um homem que conduzia seu veículo sem habilitação, em Pontes e Lacerda (448 km de Cuiabá).

Inapto

No caso do solado Bruce Batista Gusmão, ele foi exonerado em 2014 por não ter sido considerado apto na prova de corrida no teste de aptidão para ingresso na instituição. Em 2015, no entanto, ele foi reintegrado às fileiras da Polícia Militar.  Agora a liminar que decidiu por sua reintegração foi derrubada e ele volta a ser exonerado pelo comandante-geral.