Anúncios

Há quase um mês, a gestão municipal reiniciou as de recapeamento de ruas e avenidas da região central, mas o trabalho não está acontecendo na mesma velocidade que a primeira etapa do serviço. Se antes, logo após a fresagem (corte do pavimento antigo), rapidamente as máquinas davam início a nova pavimentação, desta vez, a recuperação do asfalto vem ocorrendo de forma bastante morosa.

Na Rua Rio Branco, poeira levantada com a passagem de veículos incomoda comerciantes – Foto: Denilson Paredes

Uma das ruas afetadas é a Rio Branco, cuja fresagem já foi realizada por várias quadras e há várias semanas. Entre a Avenida Tiradentes e a Avenida , o pavimento antigo foi cortado/retirado, mas, passados quase 30 dias, ainda não foi iniciado nenhum outro serviço. A situação, claro, começa a incomodar os comerciantes da região, já que há muita poeira no local devido a passagem constante de veículos. Nos dias de chuva, o problema foi a lama e o acúmulo de água nos buracos.

enfatizar que, quando realizada a obra em outras ruas e avenidas do Centro, no primeiro semestre, a Prefeitura rapidamente deu sequência no trabalho, fazendo com que as ruas fossem liberadas para o tráfego de forma a não causar tantos transtornos aos comerciantes e motoristas como agora.

Após corte de asfalto, pavimentação na Rua Rio Branco ainda não foi iniciada – Foto: Denilson Paredes

Apesar da realidade, a Prefeitura de nega demora para a realização do serviço. Segundo a (Sinfra), o trabalho está seguindo o cronograma da obra, sem atraso. “A empresa contratada para executar a revitalização asfáltica da região central realiza os serviços com rigor técnico, fazendo primeiro a chamada fresagem, que é a retirada do pavimento antigo danificado, para depois aplicar o novo asfalto do tipo CBUQ”, diz nota da Prefeitura.

A renovação do pavimento está sendo feita com recursos próprios do Município da ordem de mais de R$ 12 milhões. Desde que foi iniciada, a revitalização asfáltica já passou por várias ruas e avenidas importantes da cidade, como a Marechal Rondon, Dom Wunibaldo e a Avenida . Elogiada por onde passou, o recapeamento tem como ressalvas apenas os problemas relacionados ao trânsito, a sinalização horizontal que não foi refeita e, agora, a demora para iniciar o pavimento nesta nova etapa de obra.