Anúncios

Dois caminhoneiros foram sequestrados em e mantidos em cativeiro por três dias em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

De acordo com a (PRF), as vítimas, de 47 e 32 anos, são do e viajavam em comboio em duas carretas. Eles foram encontrados no cativeiro na tarde desse domingo (9).

Três assaltantes foram presos em Mato Grosso do Sul e as duas carretas foram recuperadas pela PRF no mesmo estado.

Segundo a PRF e a Polícia Civil, os caminhoneiros foram sequestrados na quinta-feira (6) perto da cidade de , a 366 km da capital.

As famílias registraram um boletim de ocorrência na semana passada depois que não conseguiam mais contato com os caminhoneiros.

Cativeiro

Em depoimento na delegacia em Rondonópolis, as vítimas informaram que carregaram as carretas com adubo a granel na cidade , em Goias, com destino a Cerejeiras, em Rondônia.

Eles passavam pelo km 77 da BR-364 quando uma das carretas teve um problema mecânico e parou na rodovia. Enquanto os caminhoneiros tentavam consertar o veículo, quatro assaltantes os abordaram.

Os motoristas foram levados com os dois veículos para Rondonópolis, onde foram mantidos em um cativeiro em uma casa.

“O cunhado de um deles passou a dos caminhões e dos motoristas. Divulgamos as imagens para policiais rodoviários do país. Um dos veículos foi abordado pela PRF em (MS) na carreta roubada”, disse ao G1 o PRF José Filho.

Prisão

A outra carreta foi encontrada depois de Dourados (MS), já com destino ao Paraguai. Dois suspeitos foram presos com o veículo.

Depois que os três assaltantes foram presos, os outros integrantes da quadrilha que estavam mantendo os caminhoneiros reféns os abandonaram.

As vítimas foram encontradas na tarde de domingo na entrada da região conhecida como Vila Rica, a 20 km de Rondonópolis.

Renan Maycon Melo Frassao, de 26 anos, e Zander Morais Costa Junior, de 28 anos, foram presos em Dourados. Já Francuenes Amaral dos , de 38 anos, foi preso em Coxim. Eles estão presos na Polícia Civil em Mato Grosso do Sul.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.