Anúncios

A Justiça de condenou o governo a indenizar a família de um detento que foi encontrado morto dentro da Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá. De acordo com o processo, Davi de Souza Mançano teria sofrido uma overdose causada por drogas, no ano de 2014.

A decisão é assinada pelo juiz Márcio Aparecido Guedes, da 2ª Vara Especializada da Pública de Cuaibá, e foi disponibilizada no Diário de Justiça Eletrônico (DJE) que circula nesta quarta-feira (26).

Ao todo, a mulher e a filha de Davi devem receber R$ 20 mil em indenização e uma pensão correspondente a metade do último salário da vítima, até que a menor chegue na maioridade.

No processo, a mulher de Davi alega que o marido começou a passar mal e não teve tempo de ser socorrido pelos profissionais de da unidade prisional.

Segundo ela, o marido estava preso de forma temporária há 32 dias e que outros detentos teriam forçado a ingestão de drogas.

Ainda nos autos, a mulher argumenta que ela e a filha “passaram a viver na penúria” após a morte de Davi, tendo em vista que ele fazia pequenos trabalhos e sustentava a família.

Na decisão, o magistrado aponta a responsabilidade da pública em zelar pela integridade física dos custodiados.

“No que concerne aos danos morais, fácil imaginar a dor experimentada pela filha e companheira com a morte do apenado, o que não pode ser caracterizado, em absoluto, como mero incômodo ou aborrecimento, nem fato comum do cotidiano”.

Ainda cabe recurso da decisão.