Anúncios

O chefe de gabinete do deputado estadual Baiano Filho (PSDB), Luiz Otávio Souza, além do assessor parlamentar, Wilson Medrado, disseram que cheques que totalizam R$ 35 mil recebidos do sócio da Santos Treinamentos – empresa criada para lavagem de dinheiro desviado do de Mato Grosso, num esquema investigado na operação “Bereré” -, Claudemir Pereira, pagaram as despesas do deputado. Os fatos teriam ocorrido em 2014.

Luiz Otávio Souza e Wilson Medrado teriam revelado os pagamentos em depoimentos à Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz-MT) nos dias 22 e 23 de fevereiro de 2018. Os recursos teriam sido primeiro transferidos às suas respectivas contas bancárias dos assessores de Baiano Filho.

“Todo mês é depositado na minha conta e esse valor varia de acordo com o mês, sendo que normalmente o deputado faz transferência da conta dele para a minha conta pela conta do banco do Brasil”, disse o chefe de gabinete.

Luiz Otávio relatou ainda que três cheques recebidos entre os dias 13 e 14 de outubro de 2014, de R$ 10 mil cada, foram repassados pela sócio da Santos Treinamento para bancar as despesas do deputado estadual. “Eu verifiquei em meus extratos bancários que logo após os depósitos do cheque, paguei as contas do gabinete do deputado Baiano Filho, e não me recordo se eu mesmo depositei em minha conta ou quem fez o deposito em minha conta, mas sei que o dinheiro foi utilizado para pagar as contas do gabinete do deputado Baiano Filho, tendo tais cheques sido creditados na minha conta ou depositado por alguém a pedido do deputado”, disse o chefe de gabinete.

Wilson Medrado, assessor parlamentar de Baiano Filho, disse que também já teve valores depositados em sua conta para pagar as despesas do parlamentar. Ele afirmou que o chefe de gabinete, Luiz Otávio, é quem “distribui os serviços”. Medrado teria sido o beneficiário de um cheque de R$ 5 mil depositado por Claudemir Pereira em novembro de 2014.

“Tal cheque acredito que eu tenha efetuado saque em razão do trabalho que desempenho, pois faço trabalhos externos no gabinete do deputado Baiano Filho, e já efetuei serviços externos bancários a pedido do chefe de gabinete Luiz Otávio Borges de Souza. Presto o serviço de boy no gabinete do deputado Baiano Filho  algumas vezes. Nesses casos, quando saco cheques, a pedido do gabinete do deputado, pago as contas do gabinete, outras vezes saco os cheques e entrego em dinheiro para o chefe de gabinete Luiz Otávio”.

BERERÉ

As fraudes no Detran são investigadas pela operação Bereré, deflagrada no dia 19 de fevereiro de 2018 pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), e também investigadas pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e contra a Administração Pública (Defaz-MT). Segundo os órgãos de segurança e controle, uma quadrilha lavava dinheiro e desviava recursos públicos por meio de empresas que prestam serviços ao Detran-MT. O bando agia desde 2009 e teria desviado em torno de R$ 1 milhão por mês.

Os principais alvos da operação são os deputados estaduais Eduardo Botelho e Mauro Savi, ambos do , além do ex-deputado federal Pedro Henry. As investigações tem como base os depoimentos de colaboração premiada do ex- do Detran-MT, Teodoro Lopes, o “Doia”, além do empresário Rafael Yamada , outro delator do esquema.

Segundo as investigações, a Santos Treinamento e Capacitação é uma empresa fantasma que já teve entre seus sócios o presidente da AL-MT, Eduardo Botelho (PSB). A organização recebia recursos desviados da FDL Serviço de Registro, Cadastro, Informatização e Certificação de Documentos, que realiza junto ao Detran-MT o registro de financiamentos de veículos em alienação fiduciária.

Um dia depois da deflagração da operação, em 20 de fevereiro, Eduardo Botelho admitiu que conhecia a fraude e se disse “arrependido” de não ter deixado o quadro societário assim que soube do esquema, em 2011.

O desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), José Zuquim Nogueira, determinou no dia 16 de fevereiro de 2018 o sequestro de R$27.722.877,38 de 17 pessoas, entre físicas e jurídicas, envolvidas no esquema de lavagem e desvio de dinheiro no Detran de Mato Grosso. De acordo com o despacho do magistrado, o recurso era “desviado” do órgão para “retirar-lhe a sujeira que cobre a sua origem”. Entre as pessoas atingidas pela medida estão os deputados estaduais Eduardo Botelho, Mauro Savi, o ex-deputado federal Pedro Henry, além de sócios e lobistas que participaram do esquema.

No último dia 21 de março, José Zuquim Nogueira autorizou a investigação contra outros cinco deputados estaduais – Romoaldo Júnior (), Zé Domingos Fraga (PSD), Wilson Santos (PSDB), Baiano Filho (PSDB) e Ondanir Bortolini, o “Nininho” (PSD).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.