Anúncios

https://youtu.be/UkYCBldXsY8

 

Em meio a rumores de que autoridades teriam ocultado o número real de vítimas fatais do incêndio um um shopping na cidade de Kemerovo, na Sibéria, o luto da população se mistura a protestos contra os responsáveis pelo centro comercial, o governo e os políticos.

Milhares de russos protestaram nesta terça-feira (27) na praça central de Kemerovo, culpando as autoridades pela morte de ao menos 64 pessoas no incêndio, entre elas 41 crianças, segundo informou a agência russa Interfax.

O incêndio, ocorrido no último domingo, destruiu o shopping Zimnyaya Vishnia. O lugar era um destino popular para famílias e estava cheio no momento em que foi atingido pelas chamas, no primeiro dia das férias escolares.

A lista de acusações populares inclui negligência aos padrões de , bloqueio das saídas de emergência e sobrecarga das equipes de resgate, falhas que teriam transformado o shopping em chamas numa armadilha, especialmente para as crianças que estavam num parquinho interno e no cinema no último andar do edifício.

Incêndio atinge shopping em Kemerovo, na Sibéria – Foto: Ministério de Situações de Emergência da Rússia/AP)

O russo, Vladimir Putin, visitou Kemerovo, 3.000 km a leste de Moscou, e afirmou que as mortes foram causadas por “negligência criminosa e desleixo”. Ele não compareceu à manifestação, que durou pelo menos seis horas. Outras cidades do país também foram palco de homenagens às vítimas do incêndio.

Centenas de vítimas?
O shopping tinha uma ampla área de entretenimento, incluindo, além de cinema, um zoo com animais de estimação e boliche. Muitas das crianças que estavam no local ainda não foram encontradas. Em meio a especulações nas redes sociais, usuários chegaram a dizer que o real número de mortos seria de 250 a 300 pessoas.

Um manifestante, Igor Vostrikov, disse ao governo local que as famílias das vítimas acham que o número de mortes é maior do que o informado, porque o cinema inteiro pegou fogo.

“Não estamos pedindo sangue. Precisamos de justiça”, disse Vostrikov, que perdeu a esposa, a irmã e três filhas, de dois, cinco e sete anos de idade, no incêndio.

“Elas morreram porque estavam trancadas no cinema”, disse Vostrikov ao canal de televisão Dozhd. “Elas estavam gritando lá: ‘Estamos presas, estamos sufocando’. Ninguém ajudou porque, quando o incêndio começou, todo mundo saiu correndo”, contou.

População denuncia resposta defasada
A agência russa Interfax informou que os manifestantes se reuniram durante várias horas no centro de Kemerovo para exigir a demissão de Aman Tuleyev, governador da região de mesmo nome.

Manifestantes se reúnem na praça Puchkin, em Moscou, em ato que lembrou vítimas do incêndio em shopping center de Kemerovo – Foto: Mladen Antonov/AFP

No cargo há mais de 20 anos, o governador não apareceu no protesto, que teve forte presença de policiais e integrantes da Guarda Nacional. Tuleyev também ainda não visitou o local da tragédia, nem encontrou os familiares das vítimas, de acordo com a agência AP.

Porém, após encontro com Putin, Tuleyev acusou “a oposição” e “interferências locais” de fomentar o protesto, dizendo que os familiares das vítimas não estavam na manifestação.

Putin também foi criticado por não se pronunciar imediatamente à nação ou logo declarar um período de luto. Aparentemente cedendo à pressão popular, ele assinou um decreto declarando luto nacional para esta quarta-feira.

‘Investigação minuciosa’
Putin também visitou uma cerimônia espontânea em memória às vítimas no shopping, onde residentes locais vêm depositando flores, velas e brinquedos. O presidente colocou um buquê de rosas vermelhas no local e exigiu uma minuciosa investigação da tragédia.

“Todas as autoridades serão investigadas, começando com aquelas que fizeram o registro do edifício”, disse Putin, em declarações divulgadas pela agência estatal de notícias TASS.

“Quem permitiu o uso desses materiais? São inflamáveis”, afirmou o presidente russo, em alusão a materiais como plástico barato, usados na construção do edifício e que estão sendo apontados como a principal causa da rápida propagação das chamas. O que restou do shopping, construído há cinco anos, será agora derrubado.

O prefeito de Kemerovo pediu aos manifestantes na praça central que nomeassem representantes para visitar o necrotério para verificarem que as autoridades não estão mentindo sobre o número de mortos.

Alguns poucos manifestantes atenderam ao pedido e se encontraram depois com Putin, que lhes pediu para “não duvidarem” de que haverá investigações transparentes.

Bloqueio das saídas
Investigadores federais afirmaram que saídas de emergência foram bloqueadas e que um segurança desligou o alarme. Várias outras pessoas foram detidas para serem interrogadas, incluindo o diretor da administradora do shopping e o locatário das instalações onde se suspeita que o fogo tenha começado, próximo ao cinema no quarto andar.

Alexander Bastrykin, líder do comitê investigativo, disse a Putin nesta terça que o alarme de incêndio não estava funcionando há duas semanas e que o segurança foi preso, mas que ele ainda não tinha obtido uma explicação para a sua atitude.

Imagens registradas pelas câmeras de vigilância do shopping mostrou o incêndio começando numa área de entretenimento, com uma nuvem negra de fumaça dominando o amplo em segundos. Adultos se apressaram em juntar as crianças que estavam no local e evacuar o prédio. Nesta terça-feira, autoridades russas anunciaram o fim das buscas por vítimas fatais das chamas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.