Anúncios

O combate a venda de CDs e DVDs piratas foi o alvo de uma operação integrada, deflagrada, nesta quinta-feira (22.02), pela Delegacia Especializada do Consumidor (Decon), Secretaria de Ordem Pública e Superintendência de () com apoio da Secretaria de Mobilização Urbana (Semob) e 1º Batalhão da Polícia Militar, no Centro de Cuiabá.

A ação de combate a pirataria resultou na apreensão de mais de 5, 4 mil mídias piratas e em seis pessoas conduzidas pela comercialização dos produtos falsificados.

O trabalho teve início após a Prefeitura Municipal receber uma série de reclamações contra profissionais autônomos que atuam como “Camelôs” e que atrapalham o no centro da cidade. Tendo a pirataria como um dos focos de trabalho, a Decon aproveitou a oportunidade para realizar a ação integrada de fiscalização visando o combate ao comércio de mídias piratas.

Cinco bancas de vendedores de rua, localizadas próximo a comércios da região central da Capital, foram fiscalizadas, com o objetivo de localizar pontos clandestinos que distribuem, vendem ou expõem a venda CD’s e DVD’s reproduzidos com violação do do autor.

Enquanto os policiais da Decon e agentes do realizavam o trabalho de combate a pirataria, os fiscais da prefeitura tiveram como alvo os camelôs ambulantes que atuam sem qualquer autorização. No total, foram 5.489 mídias apreendidas de diversos artistas. Em um das bancas fiscalizadas, na Rua 13 de junho, foram apreendidos 489  CDs e DVDs piratas.

Segundo o delegado da Decon, Antonio Carlos de Araújo, apesar de comum entre a sociedade, a prática de vender mídias piratas é crime e não se admite a aplicação do princípio da adequação social.

“O , pacificou o entendimento sobre o assunto, editou a Súmula 502, que consolida a questão sobre a conduta de expor à venda CDs e DVDs piratas. O trabalho desenvolvido pela Decon e parceiros ainda está em andamento. Até então, seis pessoas foram conduzidas e cinco serão interrogadas, sendo instaurado inquérito policial para apuração da conduta e responsabilização dos envolvidos”, destacou o delegado.