Anúncios
: Rogério Florentino Pereira

Os três acusados de envolvimento na execução do prefeito de Colniza, Esvandir Antonio Mendes, 61, foram transferidos para a penitenciária de Juína após a Justiça considerar a possibilidade de fuga. A repercussão nacional também foi levada em conta.

Os suspeitos foram transferidos na manhã desta terça-feira (19). A decisão foi do magistrado Ricardo Frazon Menegucci, em audiência de custódia realizada na tarde de segunda-feira (18).

Para Menegucci, o caso inspira cuidados e por isso a necessidade da segregação dos indiciados Antonio Pereira Rodrigues Neto, Welison Brito Silva e Zenilton Xavier de Almeida em uma comarca mais adequada.

“Diante da falta de da Cadeia Pública de Colniza, inclusive no local ocorreu uma tentativa de fuga há menos de um mês, aliada à repercussão nacional dada ao fato, a referida unidade prisional não comporta o recebimento dos presentes custodiados”, justificou em sua decisão.

Além da transferência, o juiz de Colniza manteve as prisões preventivas dos acusados, decretadas na tarde do último domingo (17), pelo juiz titular da comarca de Brasnorte, Victor Lima Pinto Coelho, plantonista do final de semana na região.

O prefeito Esvandir Antonio Mendes, conhecido como Vando, foi morto a tiros no final da tarde da última sexta-feira (15), na BR-174, entrando na zona urbana de Colniza.

Conforme depoimentos colhidos pela Polícia Civil, Vando estaria voltando de e cerca de nove quilômetros para chegar na cidade teria sido surpreendido por disparos de arma de fogo, de uma camionete que viria na direção contrária – em posse dos três acusados.

O prefeito estava ao volante, acompanhado pelo secretário municipal de Finanças, Admilson Santos Ferreira, pela primeira-dama Rosemeire Costa e por seu genro.

Após perseguição de nove quilômetros, ao chegar na cidade, os criminosos conseguiram atingi-lo, momento em que ele veio a óbito e bateu o . O secretário de finanças foi atingido por um disparo, mas não corre risco de morte. Os demais passageiros nada sofreram.

No dia posterior, os rapazes teriam imprimido fuga em um carro Fiat Uno, porém foram surpreendidos por uma barreira formada por Policiais do Garra, nas proximidades de . Antonio é apontado como mandante e os demais como executores do crime.