Anúncios

bitcoin ganhou proeminência em meio à sua disparada recente, mas ainda é vista com muito ceticismo por muitos agentes de mercado. Um dos sinais emblemáticos nesse sentido na última semana foi a fala de Joseph Stiglitz, Prêmio Nobel de  em 2001 e ex-economista-chefe do Banco Mundial, que não mede as palavras ao dizer que a moeda digital deveria ser proibida.

Contudo, não são todos os economistas que veem com temor o surgimento dos bitcoins. Esse é o caso do ex-presidente do  e sócio-fundador da Rio Bravo, Gustavo Franco.

Ele destacou a sua visão sobre a bitcoin e as mais de “cem criaturas semelhantes” a ela. De acordo com o economista, a bitcoin não é uma moeda e deve ser vista como uma “commodity eletrônica”.

De acordo com ele, ela é um tipo diferente de commodity relacionado a algoritmos – e isso também explica porque vem subindo de forma tão abrupta, já chegando a ultrapassar os US$ 11 mil.

Ao comparar com uma commodity mineral, Franco aponta que, enquanto a mineração faz crescer a oferta de tungstênio, de ouro ou minério de ferro, a indústria gera um crescimento na demanda por ela. “No caso da bitcoin, pode-se dizer que o equivalente à demanda industrial é a demanda de anonimato que existe no sistema financeiro mundial”, afirma.

Isso porque, enquanto os estados nacionais vêm diminuindo o para anonimato através de maiores regulações (a Suíça, por exemplo, acabou com o sigilo bancário em 2017 ), aumenta a demanda pelas “commodities eletrônicas”.

“O grande atrativo é exatamente anonimato. Então, pode ser que seja isso sim que  esteja impulsionando o crescimento do valor do bitcoin. A demanda do anonimato cresce e em um número maior que o algoritmo prevê que cresça a oferta de bitcoin, o que leva a aumento do valor. Ou seja, o anonimato está ficando cada vez mais caro. Economicamente falando, isso faz muito sentido. Se é mais difícil e é algo que o bitcoin oferece, vai ficar mais caro”, avalia. Contudo, muito se contesta sobre se realmente o bitcoin garante o anonimato, já que pode ser possível rastrear as trocas feitas com moeda virtual – contudo, boa parte do interesse vem por essa “promessa”.

Ao comentar sobre o papel das autarquias nesse processo, Franco ressalta que tanto a CVM(Comissão de Valores Mobiliários) quanto a SEC (Securities and Exchange Commission) tratam as ofertas dessas commodities eletrônicas do mesmo jeito que trata a oferta pública de qualquer companhia.

“Tem que registrar,  explicar o que é, como funciona, informar ao investidor os riscos. Seria estranho imaginar que elas fossem isentas disso. Claro que tem que ter um ‘disclosure’ disso e esse é o papel das autoridades que regulam o mercado. É apontar: essa inovação é muito bem vinda, mas a transparência tem que existir, é do jogo”, afirma o economista.