Anúncios
Delima Zilma, de 38 anos, se diz realizado com o negócio (Foto: Jéssica Fontenele/ G1)

Longe do relógio de ponto e da carteira assinada, Delima Zilma, de 38 anos, se tornou dono do próprio negócio. Na Rua Amaral Moreira, no Bairro Areão, em , fica a frutaria do haitiano, que há quatro anos vive na capital. Nos três primeiros anos, ele se dedicou a juntar dinheiro trabalhando na construção civil e em um restaurante.

Com as economias, ele investiu nas instalações e hoje, depois de dois meses de funcionamento do comércio, tem quatro funcionários. Todos eles, haitianos, que estavam desempregados.

Delima chegou a Cuiabá em 2013 e trouxe junto consigo a esperança de um futuro melhor, pensando nele, nos amigos que já moravam na capital e naqueles que ainda chegariam em busca de uma realidade diferente do que vivem no país de origem.

Essa é a melhor fase da vida dele, desde quando desembarcou na capital.

Ele trabalhava nos dois empregos. No intervalo que tinha no restaurante fazia extras como servente de pedreiro.

Ele montou frutaria com R$ 17 mil que conseguiu juntar em três anos (Foto: Jéssica Fontenele/ G1)

Com esforço e dedicação, juntou o equivalente a R$ 17 mil, dinheiro investido na frutaria, a qual ele deu o nome de “Beraca”, que, segundo ele, significa algo abençoado por Deus.

“Meu sonho desde criança era vir para o Brasil e consegui realizá-lo. Vim com Deus, sem conhecer ninguém, e não pretendo voltar para meu país de origem”, afirmou.

Delima nasceu no Haiti, mas morou 17 anos na República Dominicana com familiares.

Com a profissão de mestre de obras, veio para o Brasil sem conhecimento, mas decidido a viver novas experiências e buscar melhorias de vida.

Emocionado, ele contou ter encontrado dificuldades quando chegou na capital. Primeiro, por não conhecer ninguém e, segundo, por causa do idioma.

O desejo agora é expandir o negócio para ajudar outros amigos que estão passando por dificuldades na capital.

“Juntos somos fortes, para frente que nós vamos”, afirmou.

Ele vende frutas, verduras, alimentos não perecíveis, água mineral e até espetinho (Foto: Jéssica Fontenele/ G1)

Em apenas dois meses, Delima já viu o negócio crescer. Começou vendendo só frutas, porém, as vendas estão sendo satisfatórias. O empreendedor teve que aumentar a produção e aumentar a variedade dos alimentos que são comercializados.

Na frutaria, os clientes encontram de tudo um pouco. Além de frutas, como banana, maçã, também encontram arroz, feijão, e até espetinho.

Mesmo com dificuldades, ele se mantém otimista em tudo o que faz e dá um conselho: “A vida nunca foi e nunca será fácil, temos que lutar diariamente para vencer”, declarou.