Anúncios

Veja nos áudios a população em desespero:

AUD-20171115-WA0074
AUD-20171115-WA0075
AUD-20171115-WA0076
AUD-20171115-WA0078
AUD-20171115-WA0079

Ao menos 39 presos fugiram no final da tarde desta quarta-feira (15) da Cadeia Pública de Poconé (102 km ao Sul de ).

Conforme a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos, os presos renderam um agente, tomaram-lhe a arma e fugiram em seguida.

A cadeia pública abrigava, no momento da fuga, 83 detentos. Segundo o Sindspen (Sindicato dos Servidores Penitenciários de ), a capacidade não chega a 50.

Os presos que fugiram estavam em duas celas de uma das duas alas da unidade prisional.

No início da noite, a Secretaria de Estado de Pública enviou para a cidade dez equipes policiais, entre Civil e Militar. A ideia é tentar pegar os presos em um raio ainda próximo da unidade.

A Secretaria diz que os presos não seriam de alta periculosidade, já que a cadeia abriga apenas acusados de crime menos graves.

Conforme o Sindispen, a fuga aconteceu no momento da chamada “tranca”, que é quando os detentos devem se recolher para suas celas após o banho de sol.

“Nesta hora, eles foram para cima do agente, tomaram a arma dele e o espancaram”, relatou o presidente do sindicato, João Batista Pereira. A técnica utilizada pelos detentos é chamada de “cavalo doido” no jargão penitenciário.

Conforme Pereira, o servidor ainda disparou com munições não letais contra o grupo, em vão. Apesar da agressão, o agente não teve ferimentos graves.

No momento da fuga, havia um outro servidor na unidade prisional, mas como ele atua apenas na parte administrativa e não usa arma, não teria esboçado reação.

Esta é a segunda fuga em massa em unidades prisionais de Mato Grosso em menos de uma semana. No último dia 9, vinte seis detentos fugiram do presídio de Mata Grande, em (210 Km ao Sul de Cuiabá), após homens do lado de fora explodirem o muro da unidade prisional.